Menu

domingo, 23 de setembro de 2018

RESENHA 20: O Desempregado do Amor

Olá, bookworms!


Hoje venho apresentar a vocês a resenha de um livro ao qual fui convidada a ler por um dos autores envolvidos na proposta entre junho e julho:  O Desempregado do Amor




Título Original: O Desempregado do Amor

Autores: Fernando Drummond, Nathan Minto, Thiago Muniz

Ano: 2018

Páginas: 27o


Editora: Access Editora



"Ser livre não nos impede de criar vínculos com os outros. O desapego não é desamor. Os problemas  nos relacionamentos  surgem quando você quer impor  seus princípios ao outro, ou ele a você.  Você não pode viver para si mesmo; assim, você começa a viver para outra pessoa. E também é o mesmo caso com a outra pessoa: ele ou ela não pode viver sozinho: assim, ele está na busca para encontrar alguém. Duas pessoas  que estão com medo de  suas próprias solidões, reúnem-se e começam um jogo, aparentemente amoroso, mas, bem no fundo, elas estão buscando apego, escravidão. Nesta vida nada é permanente, inclusive e principalmente os relacionamentos. Portanto, pretender que algo cuja natureza é impermanente se torne permanente, é a receita certa para sofrer."   
(Dr. Luiz Ainbinder - página 53 - O Desempregado do Amor)




Ao escrever um livro sobre sua vida amorosa, o personagem descreve casos e descasos de suas relações desde a adolescência. Transcorre sobre diversas situações e, como os próprios autores relatam, em algumas circunstâncias conseguimos ter certa dó dele, porém em outras, nem tanta. Entretanto, quem nunca viveu questões ligadas à relacionamentos na vida?

É natural do ser humano, todos sabemos, a necessidade intrínseca de se ter alguém por perto, para amar, viver bons momentos, dividir e multiplicar...

Mas acertar na pessoa que vai viver ao nosso lado para todo sempre, "até que a morte nos separe", aí é uma outra história! Ninguém nunca disse ser fácil!

O livro O Desempregado do Amor retrata diversas localidades do Rio de Janeiro, onde o personagem vivia e percorria, algo ao qual me identifico!

Fala dos desapontamentos que viveu, dos acertos e erros nos relacionamentos, delineando as várias moças ao qual se envolveu desde a juventude. Classifica seus amores e vivências, as "fases românticas", separando-as por nomes de pretendentes e amadas.

Em O Desempregado do Amor , por alguns momentos, os autores relatam curiosidades do personagem e nos infere reflexões.

Em verdade, para quem se considera pudica, recatado, ou repleto de pudores, talvez em algumas ocasiões pode se sentir chocado, mas para aqueles que gostam de ser ledores e ouvintes de irreverentes histórias de amor, algumas mais poéticas, singelas e até românticas; arrisco a mencionar que 
outras com certo toque de humor, e até mesmo aquelas no estilo Nelson Rodrigues, eis aqui uma boa pedida!




Há na história, devido aos seus instantes felizes e desilusões amorosas, questionamentos em que o personagem faz belas e citações de Fernando Pessoa, Gilberto Freyre _em Casa- Grande e Senzala_  Charles Darwin, e Machado de Assis.

Quando fala de Carolina, por exemplo, o leitor pode inclusive interpretar  trechos como uma espécie de manual da paquera.

Mas não há apenas o amor de casais na história! Pode-se também observar a valorização da família, quando o protagonista por diversas vezes cita seus cuidados com sua avó, enferma, sua relação com seu pai, e um certo saudosismo familiar em alguns trechos da narrativa. Neto exímio, se emociona com as perdas que sofre, além da demonstração de gratidão pelo apoio de uma das namoradas em certo período triste da sua vida.



De maneira simples, divertida e muito bem escrita, os autores Fernando Drummond , Nathan Minto e Thiago Muniz , além de nos convidarem a adentrarmos no universo desse "desempregado do amor", nos faz, por vezes, rir, e até mesmo refletir com os temas abordados, como relações familiares, religião, os universos masculino e feminino, traição, estupro, homicídio e depressão.

Enquanto lia, por alguns momentos indaguei: 


  • Seria esse rapaz sempre a vítima mesmo, e no futuro o dono da verdade a cada término de relacionamento?

  • Essas moças eram sempre as vilãs?

Tenho certeza que essas e outras indagações virão à tona ao terem acesso à leitura de "O Desempregado do Amor".

Até a próxima!















...Clarice





22 de setembro de 1928...

...um sábado, também o início da primavera...

... nasce uma criança, 
mas que não seria um bebê qualquer...


CLARICE

Seu nome? 
De origem latina. 
Adjetivo de Clara!
E de fato seria mais tarde uma mulher,
como o próprio significado do seu nome sugere, 
"brilhante", “luminosa”, mulher “ilustre” aos que a cercam.

Perdeu a mãe aos três anos de idade...

...começou a trabalhar na lida, 
...aprendeu a lidar com a vida.

Mulher corajosa!

Casou-se!
Formou a sua família.

E pelo conjunto de seus relatos,
no agrupamento dos fatos,
deve ter visto 
e vivido de tudo, 
ou pouco...

Cresceu,
ganhou,
perdeu,
sorriu,
aconselhou,
chorou...
... e quantas vezes se calou!

Mas se honrou!

E ao que leva a crer, 
Clarice,
Essa mulher de alma alva,
Essa mulher de alma limpa,
em meio às flores dos vários setembros que viveu,
das diversas primaveras que sonhou,
jamais se abalou.

Mantem-se ainda firme,
De cabeça erguida,
vendo muitos daqueles que a acompanhou partindo...

E hoje, noventa anos depois, 
mais um sábado, 
mais uma primavera,
Clarice reencontra nos seus 
a certeza de que o ontem doeu,
mas que as dúvidas e as certezas valeram.

E o seu amor pela vida,
e por aqueles que te abraçam
simplesmente ainda lhe remetem a tudo,
a todos,
ao encontro de ser essa mulher firme,
à frente sim de seu tempo,
 e simultaneamente singela.

Mulher perseverante e valorosa!
Carinhosa,
sábia,
de aura caridosa!


22 de setembro de 1928...

...um sábado, também o início da primavera...

... nasce uma criança, 
mas que não seria um bebê qualquer...
seria unicamente

CLARICE...






Esse carinho fiz para minha avó, Clarice, que em 22 de setembro de 2018, com toda sabedoria que acolheu n'alma, reuniu a família para celebrar noventa anos de idade, literalmente, 90 primaveras!
Espero que tenham gostado!
Beijos primaveris a todos!












sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Resenha 19 : Corte de Espinhos e Rosas



Olá, bookworms! Hoje venho apresentar para vocês a resenha de um livro que gostei muito de ler: Corte de Espinhos E Rosas. Esse livro li junto de um grupo de leitura coletiva ao qual adoro, da minha parceira Marcelli, blogueira do Entrelinhaslivros. Foi uma experiência literária muito bacana! E um dos melhores livros que li esse ano!




Título OriginalCorte de Espinhos e Rosas
Autor: Sarah J. Mass
EditoraGalera Record
Páginas: 434
Ano: 2015





Sinopse: 

Em Corte de Espinhos e Rosas, um misto de A Bela e A Fera e Game of Thrones, Sarah J. Maas cria um universo repleto de ação, intrigas e romance.
Depois de anos sendo escravizados pelas fadas, os humanos conseguiram se libertar e coexistem com os seres místicos. Cerca de cinco séculos após a guerra que definiu o futuro das espécies, Feyre, filha de um casal de mercadores, é forçada a se tornar uma caçadora para ajudar a família. Após matar um féerico transformada em lobo, uma criatura bestial surge exigindo uma reparação.
Arrastada para uma terra mágica e traiçoeira que ela só conhecia através de lendas , a jovem descobre que seu captor não é um animal, mas Tamlin, senhor da Corte Feérica da Primavera. À medida que ela descobre mais sobre este mundo onde a magia impera, seus sentimentos por Tamlin passam da mais pura hostilidade até uma paixão avassaladora. Enquanto isso, uma sinistra e antiga sombra avança sobre o mundo das fadas e Feyre deve provar seu amor para detê-la... Ou Tamlin e seu povo estarão condenados.



Ficção americana composta de uma série de 3 livros: Corte de Espinhos e RosasCorte de Névoa e Fúria  e Corte de Asas e Ruínas .











Em Corte de Espinhos e Rosas, Feyre, a protagonista, é a caçula das 3 irmãs, criadas apenas pelo pai que, antes de perder tudo, era considerado “O Príncipe dos Mercadores”.


Na condição de falência da família, a protagonista, mesmo sendo a mais jovem das três, torna-se caçadora com o objetivo de auxiliar seu pai no sustento da casa.

São moradores de Prythian, e vivem na mesma aldeia por oito anos.



Os Prythians carregam um ódio tremendo pelos Feéricos, já que foram escravizados em meio a batalhas épicas.




A história de Feyre se inicia quando ela, em caçada na floresta, sozinha em busca de alimentos, já faminta e cansada, depara-se com uma corsa. Porém, um enorme lobo cruza seu caminho, com a possibilidade de afetar sua caçada. Num turbilhão de dúvidas e emoções, Feyre opta por matar esse lobo.

A floresta, coberta pela neve, se torna a paisagem perfeita para o desvencilhar da trama que iniciará.

Entre Feéricos e Prythians, respectivamente, de um lado estava a magia e o sobrenatural; de outro, humanos, perdidos e desconfiados através do medo.


Como continuidade da série, há ainda Corte de Gelo e Estrelas (Spin-off)  da série.
Eu ainda não li os demais, mas em oportunidade, com certeza lerei!E você, já leu? Me conta aqui a sua experiência com a série de Sarah J. Mass! Não vejo a hora de dar continuidade a essa magnífica coletânea da autora!Beijos literários!

Sobre a autora:

Sarah J. Maas é autora #1 do New York Times e USA Today por suas séries Trono de Vidro, a qual começou a escrever aos dezesseis anos e que já foi publicada em mais de trinta e cinco países, e Corte de Espinhos e Rosas. Atualmente a autora vive na Pensilvânia com seu marido e um cachorro e, ao longo dos anos, desenvolveu uma apreciação pouco saudável para filmes da Disney e música pop ruim. Ela adora contos de fadas e balé, bebe muito chá e assiste muita televisão. Quando Maas não está escrevendo, pode ser encontrada explorando o belo condado de Bucks County.

Fonte: Skoob















quinta-feira, 20 de setembro de 2018

RESENHA 18: A MAGIA DE CHRISTIAN LUCIANO

Olá, cafeinados! Como vão?
Hoje venho trazer para vocês a resenha de um livro em formato digital que li no mês de agosto: A Magia de Christian Luciano, do autor Gredan Risolein.




Título Original: A Magia de Christian Luciano

Autor: Gredan Risolein

Ano: 2018

Páginas: 310 em versão impressa e 407 na versão digital





Sinopse:

Christian Luciano é um garoto de seis anos que vive em São Paulo e consegue enxergar e se transportar para um maravilhoso reino mágico chamado Guisaro, um mundo que ele visita desde os 2 anos pelo armário da cozinha. O Mago Afonso de Bisoncourt  se espanta com sua capacidade e acredita que Christian guarda um grande segredo. Como poderia aquele menino ter tamanhos poderes na Terra e conseguir visitar Guisaro? Para ajudá-lo a descobrir a verdade, Afonso convoca Vivian Niponeri, esposa do herói Driegus, que desapareceu quase 30 anos atrás, depois de derrotar o terrível Mago do Ultra-Negativo, Gilmon Kanerum. 
Estaria Christian Luciano preparado para usar seus poderes e encarar as cobranças e desafios colocados em sua vida?
Essa é a sua jornada, e somente ele será capaz de provar sua capacidade, sua bravura e seu valor.




Livro que, como o próprio nome sugere, aborda a magia, e fala do poder que cada um de nós possui, mas que muitos ainda não o descobriram dentro de si.

Christian Luciano é um menino esperto e muito curioso. A sua mãe era uma mulher religiosa, que acreditava no oculto e no exoterismo. Já seu pai, de maneira oposta, um homem cético.

Logo em seu primeiro ano de vida, o menino, que adorava ambientes escuros, diferente das demais crianças de sua idade, gostava de brincar no armário da cozinha de sua casa. Ali, pela primeira vez, conheceu um mundo mágico, novo, ao qual não desejaria mais sair.




Foi aos cinco anos e idade que finalmente conseguiu compreender melhor aquele lugar que tanto gostava de se transportar. Lugar esse  que se chamava Guisaro.

Em busca de uma pedra mágica, Christian passou por diversas aventuras. Conheceu Gustavo e Ana. 

  • Mas será que ele era um bruxo? 

  • Que mistérios seriam revelados na sua vida?

A verdade é que no Palácio de Guisaro havia, por muito tempo, a espera pelo retorno de um guerreiro. Este herói, chamado Driegus, seria um Mestre e Mago da Sabedoria. 

  • Mas qual seria a relação de Driegus e Christian Luciano, se ambos viviam em mundos completamente distintos?

A história enreda-se quando o mago Afonso, por entre os seus, insiste que o menino Christian poderia sim ser o herói Driegus na Terra, buscando Vivian, amor do guerreiro e convencendo-a a observá-lo na Terra. Vivian afastara-se para outro espaço, Abissar, após ter perdido seu grande amor. Contudo, ao fitar Christian Luciano, encantou-se, buscando junto de Afonso e Risolleta uma forma de aproximar-se do garoto pelo período de um ano, para que tivesse a certeza de que ele fosse ou não de fato seu grande amor perdido.





Na Terra, Afonso e Risoletta eram pais de Driegus, além dele, tinham mais três filhos, cada qual em pontos diferentes do mundo, nos atentando, de forma pura e inteligente, à importância do cuidado e do apreço por nosso planeta, o que, em minha humilde opinião, é uma das mensagens mais valorosas que a história de Christian Luciano nos transmite.

Juntos, estavam dispostos a ajudarem no que fosse preciso para encontrar o irmão, com exceção de Gilmon, que pode-se afirmar ser o lado sombrio e obscuro da família.





Para quem se interessa pelo gênero magia, além de temas como transmigração e mundos paralelos, o livro de Gredan Risolein é um convidativo a aventurarmo-nos nas vivências desse notável menino.

Pelos detalhes descritos, nos mundos mágicos de cada personagem, o leitor tem a possibilidade de fantasiar e aventurar-se a viajar na imaginação.

Tópicos como a mágica do amor trazem ainda leveza e docilidade à história do autor Gredan Risolein.

Com intuito de alcançar o público adolescente, a obra  caracteriza-se como chamamento à literatura infanto-juvenil. 


Sobre o autor:

Gredan Risolein é publicitário, diretor de produção e cinema, e possui vários roteiros escritos.Tem imenso apreço sobre a temática esotérica e magia, além de ser fã de J. K. Rowling, homenageando-a com essa obra.


O que acharam da resenha? Eu adorei me engajar na leitura desse livro! 
Lembrando que essa postagem está relacionada à #maratone-se, do grupo Interative-se! no Facebook.

Se quiserem saber mais do livro A Magia de Christian Luciano e do autor Gredan Risolein, basta acessarem as redes sociais do autor.
Vale ainda ressaltar o sucesso da primeira edição da obra, podendo arriscar aqui a dizer-lhes de novidades que estão por vir!

Aguardo a interação aqui com vocês e nas demais redes sociais do Café com Leitura Blog!












quarta-feira, 19 de setembro de 2018

BLOGAGEM COLETIVA: Quem é meu autor (a) favorito(a)?





Hello, bookworms! E aí, estão gostando da Maratona de posts  que o "Café" está participando com o grupo Interative-se! ? Eu tenho que dizer o quanto tem sido rica essa experiência junto de todas as blogueiras que estão envolvidas, transmitindo e recebendo bons conteúdos durante uma semana!

Bom, mas o post de hoje tem um diferencial! Simmm! 
É que hoje, dentro da #maratone-se no mês de setembro, alguns blogs, assim como o Café com Leitura, estão realizando uma publicação especial, a tradicional Blogagem Coletiva . É a primeira vez que participo, e o tema para mim foi singular:'meu autor (a) favorito (a)'.

Vi algumas das colegas falarem das dúvidas por escolherem um autor apenas. Na verdade, também acho uma missão dificílima! Mas, por incrível que pareça,na hora que lia a proposta,  meu coração bateu forte por uma em específico: Cecília Meireles! Vamos conhecer um pouquinho da biografia da autora?!

Cecília Meireles (1901-1964) foi uma poetisa, professora, jornalista e pintora brasileira. Foi a primeira voz feminina de grande expressão na literatura brasileira, com mais de 50 obras publicadas. Com 18 anos estreia na literatura com o livro "Espectros". Participou do grupo literário da Revista Festa, grupo católico, conservador. Dessa vinculação herdou a tendência espiritualista que percorre seus trabalhos com frequência. Embora mais conhecida como poetisa, deixou contribuições no domínio do conto, da crônica, da literatura infantil e do folclore.Cecília Meireles estudou literatura, folclore e teoria educacional. 





Colaborou na imprensa carioca escrevendo sobre folclore. Atuou como jornalista entre 1930 e 1931, publicou vários artigos sobre os problemas na educação. Fundou em 1934 a primeira biblioteca infantil no Rio de Janeiro. O interesse de Cecília pela educação se transformou em livros didáticos e poemas infantis.

Fontes: ebiografia.com
               demonstre.com


No momento que anunciei a ideia do post em casa, minha filha achou que falaria de Ziraldo, escritor que considero tão incrível quanto, e que com certeza precisarei abordar  em outras oportunidades.

Deixa-me então explicar!

Ocorre que quando era bem pequenina, com meus seis anos de idade, meus pais me matricularam em uma escola próxima à minha casa, e que eu estudara até os nove anos. O nome dela da escola? Educandário Cecília Meireles. Óbvio, não? 


Embora muito pequena, consigo me recordar do quanto a escola foi significativa ao meu aprendizado e à minha construção de identidade e autonomia. E o mais instigante é que lá eu conheci muitas obras da escritora. Talvez, creio eu, que daí venha meu gosto incessante por palavras.


Importante ressaltar: a foto é muito antiga! Eu não sujei a beca no dia! Rsrsr

Costumo dizer que enquanto amante de alguns mestres das palavras, acabo por "induzir", de forma positiva, é claro, minha filha e meus alunos, dos tempos em que estava em sala de aula! Fato que ocorreu com Ziraldo, por exemplo, pois minha filha é muito fã. Mas vivenciei uma linda experiência certa vez com um livro de Cecília Meireles e que quero lhes contar!

Dentre as obras da autora, o livro "Ou Isto ou Aquilo" sempre me encantou! Numa tarde, conversando com algumas adolescentes dentro de uma das escolas que lecionava, apontei-lhes esse meu gosto pelo livro em meio a um delicioso bate-papo. O que eu não esperava é que uma delas, no dia seguinte, me abordou na entrada, me oferecendo de presente um exemplar que tinha em casa, e que havia sido de alguém próximo que lhe deu e ela resolveu me repassar, como uma maneira de eu sempre lembrar dela. 




Remexendo em minhas coisas para trazer até vocês e encontrando esse livro, com a dedicatória que nem me lembrava mais que continha ali, tive muitas lembranças belas e por isso sou grata à oportunidade por participar do trabalho!

Bom, mas retornemos à Cecília Meireles e o livro "Ou Isto ou Aquilo" !


A Bailarina - Cecilia Meireles

Esta menina
tão pequenina
quer ser bailarina.

Não conhece nem dó nem ré
mas sabe ficar na ponta do pé.

Não conhece nem mi nem fá
Mas inclina o corpo para cá e para lá.

Não conhece nem lá nem si,
mas fecha os olhos e sorri.

Roda, roda, roda, com os bracinhos no ar
e não fica tonta nem sai do lugar.

Põe no cabelo uma estrela e um véu
e diz que caiu do céu.

Esta menina
tão pequenina
quer ser bailarina.

Mas depois esquece todas as danças,
e também quer dormir como as outras crianças.




Ou Isto ou Aquilo

Ou se tem chuva e não se tem sol,
ou se tem sol e não se tem chuva!


Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!


Quem sobe nos ares não fica no chão,
quem fica no chão não sobe nos ares.


É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo nos dois lugares!


Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,
ou compro o doce e gasto o dinheiro.


Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo...
e vivo escolhendo o dia inteiro!


Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranquilo.


Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.

E de fato, a verdade é que o tempo inteiro vivemos de escolhas, assim como fiz aqui, ao optar por falar de Cecília Meireles e da minha história de vida, o que aprendi através dos textos da autora na escola que estudei que tem seu nome, meu gosto pelas palavras, minha influência positiva na vida de meus alunos...

E vocês, têm um autor preferido?
Contem aqui! 
Aproveitem para conhecerem, seguirem e interagirem nas redes sociais do "Café"!
Vocês conhecem os blogs que estão participando da Blogagem Coletiva? Convido-lhes a conhecerem cada blogueira, seus blogs e postagens! 
Até!