Menu

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

OS LIVROS QUE ABANDONEI




Nessa minha curta trajetória literária (haha!), só me lembro pra valer de quatro livros que eu tenha abandonado:





O Mundo de Sofia: Livro que comprei em 2010. Me lembro que dava aula de um tema ligado à Filosofia para uma turma do quinto ano do Ensino Fundamental e o material que usávamos, de um sistema de ensino, usava muitos trechos desse livro. E aí fui me encantando pela história!
Num belo dia, fizemos uma visita à uma Biblioteca Móvel, projeto que há na cidade. E lá estava ele! Meus olhos brilharam! A pessoa responsável me emprestou e deixou comigo por uma semana, mas infelizmente não tive como terminá-lo (primeiro abandono! Rsrsr!). Ficava ali uma meta! Eu e uma aluna compramos! De tanto que eu falava no livro  a encantei. Conclusão: ela terminou a leitura e eu não! Mas adoro a proposta da história! Eu comecei e recomecei umas cinco vezes! Infelizmente, o que aconteceu foi que em todas as ocasiões que me propus a ler, precisei, de verdade, parar (faculdade, concurso público, mais faculdade, muito trabalho! ...) 

O Diário de Anne Frank:  Eu o comprei há uns três anos, mais ou menos. Guardei e caiu no esquecimento. Quando inicie o blog esse ano, comecei a juntar os livros que tinha guardado e o encontrei. Comecei a leitura em abril, ou maio, talvez, mas não deu!
Livro pequeno, uma leitura até fácil ao meu ver do ponto de vista da escrita. Porém, sob o aspecto histórico, confesso à vocês que não tive coragem de concluir. Pode parecer uma bobagem, mas sou mãe de uma adolescente  que tem a mesma idade em que Anne precisou abdicar das coisas e não pôde viver a vida que gostaria, assim como muitos. Faltam apenas 34 páginas para eu concluir! E o farei, podem ter certeza! Mas naquele momento não tive bravura suficiente para concluir e ver o final daquela menina que sonhava em sr escritora!

O Morro dos Ventos Uivantes: Participo de grupos de leituras e, na votação para o que leríamos no mês de agosto, fiquei super empolgada quando essa obra venceu! Comprei, comecei, achei uma leitura super difícil. Fiquei adoentada, e acabei me atrasando com alguns compromissos do blog. Como é uma meta pessoal, naquele instante, infelizmente, optei por abrir mão dele e dar continuidade e concluir as relacionadas aos compromissos referentes às parcerias. Olho para ele todos os dias na estante! Preciso dar continuidade!


Eu, Robô: Também eleito em um grupo de leitura coletiva (participo de dois, embora esteja um pouco afastada no momento), em princípio me recusei um pouco a ler. Contudo, a cada conto ali narrado, fui me interessando mais pela história, mas o abandonei pelo mesmo motivo e na mesma ocasião em que deixei de ler "O Morro dos Ventos Uivantes".




Como tenho dito por aí, não sou muito de "abandonar" histórias. Não desisto de leituras! Prova disso é que os livros que estão aqui nessa lista não são livros que eu não tenha gostado, mas que por momentos da vida eu precisei deixar, mas que estão ainda (Simmmm!!!) nas minhas metas. 
Em momento certo vocês com certeza verão algum projeto de cada um deles por aqui e em todas as redes sociais do "Café"!

Aproveitando, convido a todos para interagirem aqui e para conhecerem a #outubrointerative-se, do grupo Interative-se, no Facebook. Nossa Maratona Temática se iniciou no dia 15/10 e vai até o dia 21 do mesmo mês. Muitos conteúdos lindos em blogs  que não deixam a desejar!


Participantes dessa edição:


Ana Claudia      Cilene     Fernanda Akemi    
















quarta-feira, 17 de outubro de 2018

QUAL O MEU GÊNERO LITERÁRIO FAVORITO?






Dizer ter um gênero literário favorito, ao meu ver, é algo tão pessoal! 

Ao mesmo tempo, acho super arriscado! Às vezes, digo que sou mãe das minhas leituras! 

Não ouso escolher uma predileta!

Tenho tanto carinho por cada intenção, por cada premissa
que esses loucos (me sinto assim também!) se atrevem a escrever, que me recordo de ter lido em algum lugar uma frase de Anaïs Nin que diz que "o papel do escritor não é dizer aquilo que todos somos capazes de dizer, mas sim aquilo que não somos capazes de dizer".  Assim, talvez por gostar de escrever, não me sinto na condição de escolher... é algo que parece louco, não sei direito explicar, mas creio que haja aí uma intenção implícita, ou até mesmo explícita, vai saber!

Quando me perguntam se aceito ler um livro, seja qual for o gênero, não arrisco a negar-me! Amo as palavras! Mas logo insisto no meu lema: que delas, por favor, seja feito bom uso!

Então, contos, fábulas, crônicas ou romances;
sonetos, tragédias,
textos em versos ou prosa,
não importa!
O que me envolve é a arte que as junção das letras, a criação das palavras e a formação das frases, pode nos proporcionar!

Assim, afirmo que minhas paixões literárias são as palavras e o que elas querem me transmitir!





E aí, o que vocês acham? Concordam comigo, ou têm um gênero literário específico? Contem aqui! 
Só para lembrar, esse post faz parte da #outubrointerative-se e a Maratona Temática. Espero que estejam gostando!
Beijos literários!


Participantes dessa edição:





















terça-feira, 16 de outubro de 2018

COMO ORGANIZO MINHA ESTANTE?




Olá, cafeinados! Segundo dia do #outubrointerative-se e a linda Maratona Temática que o Café com Leitura Blog tem a alegria por participar!

Ontem falamos sobre Como teve início a minha vida de leitora. Confesso que chorava a cada palavra ou frase digitada! Muitas emoções mesmo! Na verdade, falar desse assunto muito me deixa sensibilizada devido ao grau  de importância que considero a leitura a cada um de nós. Legado maravilhoso que recebi da minha família desde muito pequena.

Hoje apresentarei para vocês a minha estante! A minha pequena estante! Rsrs! É simples, nem tão recheada assim, afinal, a comprei tem um mês, aproximadamente. Sempre tive muitos livros, então, já tive algumas outras de modelos  e materiais diferenciados. A atual já estava "paquerando" por um tempinho! 

Como minha sala não é tão avantajada em tamanho, geralmente precisamos optar por guardar alguns livros e deixar os mais recentes para cada momento expostos. Tarefa nada fácil!





Na hora da arrumação, separamos cada caixinha dessas por uma espécie de categoria:






Nessa estão alguns dos livros que li esse ano. A grande maioria já consta em posts aqui no blog.











Esses são alguns dos que me prometi  ler  nas férias (haha!)













Algumas das minhas metas atuais!











Alguns clássicos e outros que momentaneamente abandonei  (assunto para uma próxima postagem!) ;)







Os livros da Mylena!





Livros da especialização que faço em Redação e Oratória e alguns de Filosofia do marido!

Bom, pessoal, esse é um pouquinho do que, no momento, tenho a apresentar para vocês. Pode ser que no ano que vem essas arrumações mudem de padrão, ou de intenção. Quem sabe? 

Fiquem ligados e aproveitem para acompanhar as redes sociais do "Café" e cada postagem da Maratona Temática do Interative-se!! 

Beijos literários!


Participantes desta edição:



   Fernanda Akemi     Ale Helga     Lunna Guedes 



















segunda-feira, 15 de outubro de 2018

COMO TEVE INÍCIO A MINHA VIDA DE LEITORA?


Falar da minha vida enquanto leitora despertou em mim um certo saudosismo, mas não negativamente, pelo contrário! Me remete a tempos tão bonitos, tão puros e sinceros que nem sei se me atreveria a tirar essa essência. 

Tenho aqui mais uma missão: a de fazer com que entrem no meu universo da mesma maneira como eu nele entrei. Uma folha em branco? Talvez! Meu destino em meio aos livros sei que tracei com louvor, pois a cada página folheada há a certeza de que me construí, e ainda me construo.  Quero falar de memórias!





Aos cinco anos minha mãe me colocou na escolinha.  Tinha orgulho de ver que eu gostava de estar ali. Eu já me fascinava por essa mágica que acontecia com a junção das letras! A formação das palavras! 

Me lembro de a cada ida na rua com ela, de olhar para os muros e tentar desvendar aqueles mistérios... parecia de fato magia! 

A professora, me lembro como se fosse hoje, Tia Nádia, só me deixava ir embora quando eu conseguia ler. Minha mãe ficava a esperar do portão e dizia: " Um pecado! Ela é novinha demais!". 

Mas eu, ah! Eu estava adorando, me recordo! Porque a cada saída mais tarde daquele lugar, mais palavras conseguia formar, e mais magia conseguia decifrar por entre os muros do bairro onde morava. E seguia feliz, contando para ela cada novidade! Engraçado como algumas lembranças ficam, não acham?



https://www.choquecultural.com.br/pt/2016/03/29/poesia-no-concreto/



Seis anos de idade. Me lembro de ter entrado em escola particular, Educandário Cecília Meireles (lembram-se? ;)  nome mais que sugestivo para uma amante da literatura já naquela tenra época de minha vida! 

Casa humilde... poucas condições, mas o desejo por me colocar em uma escola maior e com mais possibilidades de aprender, moviam meus pais e minha avó Clarice . Faziam o que podiam para me dar um bem maior!. E para eles, era  Educação, o legado de ouro que poderiam me deixar!

Lembro-me de estar sentada em uma mesinha, e minha mãe de costas , lavando a louça e me tomando a lição. Domingo de manhã, dia chuvoso, e eu precisava conhecer ali cada formação, a essência das palavras que me fariam compreender a história de cada um daqueles livros: A Curiosidade Premiada e Gato que Pulava no Sapato. Foi ímpar a sensação de adentrar em cada história daquelas! Como me deliciava lendo e relendo aqueles livros! E que orgulho cada um deles sentia ao ver que aquela menininha já sabia ler! 





Assim, meu pai, todo pomposo, a cada domingo que nos reuníamos em família, sempre sentava-se para ler jornal. Mas acham que agora era ele quem lia?! Era eu! E ele se orgulhava, daquela menininha que sabia ler e lhe reproduzir, de maneira rústica, singela, cada notícia que ousasse querer saber!






Aos oito anos, o ápice da minha história enquanto leitora! Me lembro de na segunda série todos os dias ter um companheiro mais que fiel nas idas e vindas no ônibus da escola: O Menino Maluquinho! Li e reli dezenas, centenas, milhares de vezes! Passei o livro para meu irmão,  depois para minhas primas, mas o amor por esse menino ficou até hoje em meu coração! 


E fora transmitido, pois um dos dias mais bonitos da minha vida vivi na Bienal do Rio em 2017, quando tive a oportunidade de dizer para Ziraldo sobre isso. E o mais lindo ainda: ver que minha filha se emocionou, pois o meu carinho e admiração por esse gênio da literatura infantil ficou para ela, como uma espécie de patrimônio guardado em seu coração (foi a primeira da fila de autógrafos!).

E na escola, quando estava lecionando, por alguns era chamada de "Professora Maluquinha", pois sempre os encantei com tais histórias, e sempre que as lia para eles, ao final debulhava-me em lágrimas!





Na adolescência quem me acompanhou foram os gibis. Deixava de lanchar para juntar as moedinhas que ganhava dos meus pais para, na hora da saída, passar nas bancas de jornais e comprar as revistinhas da Turma da Mônica.








Hoje, não tem sido segredo para mais ninguém! Todos têm acompanhado de maneira até mais efetiva neste ano através do "Café" minhas leituras e escritas, além do meu amor pelos livros e, como sempre digo, em prol do bom uso das palavras, por favor!






Assim, o Café com Leitura Blog  tem o carinho e a satisfação de participar de mais uma linda maratona do grupo Interative-se, no facebook, em que as blogueiras estão todas super animadas e prontas a contarem um pouco ao longo da semana sobre suas vidas literariamente falando (se é que existe essa expressão!). Acompanhem! Tenho certeza que muitas belas histórias e curiosidades virão por aí! 
Beijos literários! E até amanhã!


Participantes desta edição:



  
  
    Mari de Castro      Lunna Guedes       Ale Helga






















domingo, 14 de outubro de 2018

RESENHA 21: PONTO SEM RETORNO

Olá, pessoal! Como vão?

O mês de setembro foi muito produtivo ao Café com Leitura Blog, então dei uma breve pausa por aqui, mas já estou de volta! Bora então para mais uma resenha??





Título Original: Ponto Sem Retorno

Autora: Gabriela Simões


Ano: 2017

Páginas: 308


Editora: Edições Viera da Silva









Sinopse:


Giselle Levy é uma meia-bruxa que vive isolada do mundo com o seu avô, escondida do olhar do rei. Cuidadosa e astuta, contudo, ainda assim, numa tentativa de sobreviver, foi apanhada e chantageada por um dos príncipes de Kendrad, Cristian, que promete não a entregar, se esta for trabalhar para o palácio. Num dilema, ela coloca em perigo a sua identidade e passa a trabalhar no palácio, onde terá de lidar com as constantes tentativas de sedução do príncipe Cristian, os misteriosos olhares de príncipe Eli, os encontros escondidos com o seu melhor e único amigo Rylan, e um rei desumano com segredos obscuros. Giselle vive numa constante incerteza e angústia de ser descoberta, amargurada pelo fato de não poder ser livre, encontra uma misteriosa sala, com um poderoso encantamento que poderá mudar tudo. Assertiva, inteligente e defensiva, irá deparar-se com uma escolha que mudará a sua vida e ideia de si própria, para sempre.  

   



A história está envolta a reinos, realeza, príncipes, palácios, nobreza e hierarquia.

Toda a trama começa quando Christian, belo, charmoso e sedutor, Príncipe de Kendrad vai junto de seu irmão mais novo, o príncipe Eli, à Parada dos Príncipes, evento que ocorre anualmente na localidade. Lá, nota uma pequena confusão envolvendo a jovem  Giselle Levyuma meio-bruxa, que lhe chama atenção e acaba sendo conduzida com seu avô e seu cavalo Nessie para o palácio, a ser a  nova tratadora de cavalos. Mesmo contra as vontades de seu avô, decide ceder às chantagens de Cristian, como forma de cuidá-lo e retribuir todo seu carinho e gratidão por tê-la criado desde muito cedo. Giselle vivera sempre cautelosa e escondida, pois o medo de ir para a fogueira era uma constante em sua vida cheia de mistérios, já que Kendrad é um reino que tem como característica a desigualdade.






Sua fuga da população de Kendrad se fez porque o povo local crê que um ser mágico seja incapaz de amar ou sentir sensações humanas, o que ela observa ser muito bem retratado nas paredes do palácio, onde há telas de bruxas, minotauros, sereias e tantos outros seres sobrenaturais condenados por aqueles habitantes.

Por entre cada canto do palácio, o leitor observará os encantamentos e galanteios frequentes dos dois príncipes à jovem meio-bruxa, além da sua singela relação com o amigo Rylan, que sempre que havia possibilidade, a visitava pelos espaços da corte.


  • Qual seria o destino da relação entre Giselle Levy, o príncipe Eli e se irmão Christian? 


  • Estaríamos a vivenciar um triângulo amoroso? 

  • Ou será que teríamos o jovem Rylan no páreo para a conquista do coração da bela moça?


Conforme a visão da protagonista, aos seus olhos, Eli seria aquele que de fato teria as características necessárias a um príncipe: integridade e honestidade.  Para ela, seria o mais correto em atitudes. 

Já Cristian, o próximo à sucessão do trono, não mostrava agradar-se das atribuições de sua função, preferindo a liberdade, o que parecia atrair a moça, até mesmo fato de ele não concordar com as regras que deveria seguir. Cristian demonstra-lhe jogar, seduzindo-a o tempo inteiro, confundindo-lhe os sentimentos, e fazendo com que até mesmo lute contra o que aparentemente sinta por ele.


  • Amor ou ódio, sem motivos aparentes, estariam de fato no coração de Giselle pelo rapaz da realeza? 

  • Qual seria o seu sentimento verídico por Cristian?





A verdade é que, ao que nos parece enquanto leitores, Giselle procura o tempo inteiro pretextos a fugir do atraente e galanteador rapaz, que arrisca-se em um lance amoroso com ela que, em contrapartida, afasta-se, lutando contra o desejo por aproximação. Fato é que a jovem meio-bruxa receia abrir brechas em seu coração a qualquer pessoa, o que apenas permitiu ao seu avô e Rylan, que a cativou por despertar em si o seu melhor.

Em passeios autorizados à biblioteca real, Giselle teria acesso a um segredo que não contara descobrir. 

  • Será que por entre os livros, gravuras, símbolos e palavras, a meio-bruxa teria descoberto um segredo arrebatador? 


  • Será que uma guerra entre os dois mundos, mágico e humano, estaria por vir?


Prestes a completar 18 anos, todo cuidado seria pouco para  que seu segredo dentro do palácio não fosse descoberto, pois nessa sua nova fase da vida, haveria maior libertação de energia, o que facilmente poderia ser captado pelos guardas, que são treinados para encontrar seres considerados fantásticos, assim como ela.

No auge da trama, um baile acontece no reino, o Baile de Kendrad. Muitas emoções, encantos, lindas vestimentas, música...
... e revelações! Um ápice de eventos trazem surpresas inimagináveis, e que fazem a narrativa dar uma crescida considerável.





A escrita da autora, por vezes, tem algo que me atrai, principalmente quando ela retrata o prazer da protagonista por cavalgar com Nessie. Nesses instantes, Gabriela acrescenta uma pitada de poesia, o que revela o amor da personagem Giselle pela liberdade. Essa junção de sentimentos na escrita me cativou enquanto leitora.

A história me fez recordar de Corte de Espinhos e Rosas, que aliás tem resenha aqui no "Café", visto que todo o envolvimento com o reino, o fato de a protagonista cometer um ato que a faz seguir com o príncipe até seu reduto e ficar refém, sugerindo um envolvimento romântico entre os dois também ocorrem na trama de Sarah J. Mass.

A história de Giselle Levy nos deixa com um gostinho de quero mais, pois, ao que tudo leva a crer, logo, logo, teremos continuidade! 

Eu li Ponto Sem Retorno em formato digital, embora o livro também  seja encontrado em formato físico.



Sobre a autora:


Gabriela Gomes Simões nasceu na cidade da Amadora em 1998. Terminou o ano passado o Ensino Secundário no curso de Ciências e Tecnologias, neste momento encontra-se a tirar uma licenciatura em Gestão Hoteleira na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril. Tem como sonho dar a conhecer a sua escrita.

A paixão pela escrita começou muito nova, com apenas oito anos escrevia pequenos poemas e histórias, tendo concluído o seu primeiro manuscrito com catorze anos de idade. Nos últimos quatro anos dedicou-se ao seu aperfeiçoamento, no seu conteúdo e forma, acabando por crescer com ele, dando-lhe o título de Giselle – Ponto Sem Retorno, sendo este o seu primeiro livro.


E aí, o que acharam da história? Gostaram? Se encantam, assim como eu, por romances que envolvem reinos e magia? Contem aqui! E se quiserem, podem acompanhar o trabalho da autora Gabriela Gomes Simões em seu Instagram. Aproveitem e sigam também toda as as redes sociais do Café com Leitura Blog !

Acompanhem as postagens! Tem muita coisa linda vinda por aí! Beijos literários!