46/2020: A ERA DO ABISMO - A LÂMINA RUBRA

"Alguns grãos de areia vibraram próximos aos meus pés. Ao meu redor, uma multidão faminta por combate e glórias. Formando um círculo no centro da arena, eu, meu melhor amigo Gladius e mais seis competidores. E no epicentro, o mestre de cerimônias discursando ao lado de uma espada de lâmina rubra encravada numa pedra".

Olá, como estão?
Tudo certinho?
Espero que sim!

A resenha de hoje é de um conto que li em janeiro (acho que já estava passando da hora de trazer para vocês as minhas impressões sobre este trabalho tão bonito e bem escrito!). 
Eu falo do conto A Lâmina Rubra, de Bernardo Stamato .


No conto, o leitor conhece a voracidade, que mescla-se à postura concentrada de um guerreiro — Draco  principiante na Arena, em meio a uma plateia que vibra por batalhas.

Ao delinear as expectativas do personagem central, Bernardo Stamato traz uma linguagem imponente, que nos reporta às características tão bem detalhadas em mais este trabalho.

Nos oferece, inclusive, certa rusticidade quando caracteriza ambientes e outros personagens.

— A batalha é nosso esporte, nosso modo de vida e nosso destino!"
 
Apresenta, de forma clara, peculiaridades que diferenciam Draco de seu amigo Gladius já que, enquanto o protagonista mostra-se focado em sua iniciação nos combates, até mesmo maduro para um principiante, seu parceiro de longas datas, na ânsia por vencer, muitas vezes toma posturas antecipadas.

Gladius gosta de apostas, de oferecer à plateia um verdadeiro show enquanto está na Arena. É competitivo e, embora respeite Draco, o aponta com frequência como um parceiro "certinho" demais. 

"Conforme o espírito e o esforço foram gritando mais altos do que a disciplina e o ego, fomos deixando de lado nossos traços superficiais e distintos para assumirmos nosso real espírito: o de guerreiros".
 
Pelos diálogos nos torneios, consegue-se acompanhar as derrocadas e as vitórias de cada combatente, bem como sentir a competitividade entre os amigos, com toques de comicidade, o que nos infere naturalidade às ações narradas por Bernardo Stamato.



Considero o conto A Lâmina Rubra mais um trabalho impecável do autor, visto que no processo de descrição de alguns espaços mencionados (tavernas, estalagem, arena, anfiteatro, templos),  associa nitidamente um trabalho de amplo estudo. 

Mostra ao leitor os sentimentos desses homens tão ríspidos em suas armaduras, mas que têm, em suas conversas, aparente temor misturado ao respeito ao que consideravam sagrado.

Traz ainda tópicos que considerei básicos ao incremento de sua proposta de escrita:

  • Menciona  a economia da região em destaque na história e seu crescimento;
  • As tradições locais;
  • A imponência de monumentos. 

"Nós somos feitos de Virtudes e Vícios. Logo, erguemos estátuas de celestiais e abissais."
 
Outro aspecto instigante em A Lâmina Rubra é a forma como o mestre de cerimônias chama o público ao êxtase, assim como os guerreiros ao centro da Arena, que obviamente nos são apresentados com vontade de vencer, de serem exaltados, elevados entre os que os observam, os odeiam ou os admiram.


A narração mantém a essência que senti enquanto leitora inciante em Fantasia Medieval Sombria, quando fui apresentada aos seus personagens, os mesmos em questão e muitos outros,  em A Era do Abismo - O Torneio dos Campeões.

A forma como descreve os combates é perfeita, o que nos transporta com excelência às cenas.

"Naquele momento que talvez mal tenha durado um segundo, eu odiei, eu ataquei e eu venci a batalha. Nada, nem ninguém, agiu por mim. O mérito daquela vitória e de todo sangue derramado era meu."

 Sobre o autor

Tudo começou ao participar do concurso cultural "Eu, Criatura", tendo ficado em primeiro lugar.

Desde então, não mais parou, escrevendo contos, críticas literárias e textos diversos para sites como Mundo Epic, Filmes & Games e para o site e canal Ei Nerd.
Fundou o Mochileiros do Multiverso no Instagram e no YouTube.

Bernardo Stamato é escritor, tendo dois livros de fantasia medieval/sombria publicados. Atualmente, escreve um horror psicológico. É professor de Escrita Criativa e produtor de conteúdos. Nas redes sociais, você o encontra através do projeto Mochileiros do Multiverso, que aliás, no youtube, dá diariamente dicas de Escrita Criativa e cultura pop sob o olhar de um escritor.

Bom, essa é mais uma obra do escritor que tenho a prazer de apresentar para vocês aqui no blog, visto que vocês também podem encontrar as resenhas de A Era do Abismo - O Torneio dos Campeões, da releitura que fiz da obra este ano, além da resenha do conto Cavaleiro do Caos. E com certeza muito mais virá por aí! ;)

E aí, já leram?
Gosto de contos?

Bora papear!

Beijos Literários!


2 comentários

  1. Fico infinitamente honrado com seu feedback!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu fico feliz pela parceria, por ter acesso às suas escritas, sem contar pela sua visita por aqui! Beijão!

      Excluir