44/2020: RESENHA DUPLA - LENDÁRIAS

"Ela sempre preferia lutar em vez de usar magia, principalmente com seus dois punhais. Amava sua agilidade e força, usava com orgulho e letalidade impecável, lutar com uma lendária era como dançar  com a morte. Kahlan era mais temida por sua luta corpo a corpo do que por sua magia".
(Lendárias- A Legião) 
Olá, como estão todos?
Espero que bem, pois estou bem animada hoje!
Bora para resenha dupla de Lendárias?
Amo essa parceria!

Sinopse ( Lendárias - A Legião)

Em sua busca pela libertação de uma maldição, Kahlan, a líder das lendárias, deixa-se capturar para ser levada ao rei das terras do norte.
Enquanto isso, o restante de seu clã tem que decidir se partirá em sua busca ou se desvendará um mistério que se desenrola no forte das bruxas.
Enquanto a jovem líder atravessa a perigosa floresta negra, ela tem seus poderes removidos por um bracelete mágico e se vê prisioneira do comandante da legião, Lian Ruthven.
Os destinos desses dois guerreiros já haviam sido entrelaçados e agora, sem saber, eles caminham para um futuro incerto.

                                   
     Sinopse ( Lendárias - O Oráculo)

Ao chegar as terras do norte, a Lider Lendária se vê subjugada, e obrigada a conviver com os humanos no castelo. Ao mesmo tempo, o comandante Lian se vê surpreendido quando o temor de Kahlan se torna realidade. Atormentado pela culpa, ele decide partir, com a ajuda das bruxas do clã, em uma missão secreta em busca do oráculo que pode lhe ajudar a esclarecer os últimos acontecimentos.
No castelo, enquanto procura uma forma de se libertar, a bruxa descobre que algo terrível assola Vanmarah e precisará se aliar ao capitão Felipe para encontrar uma forma de salvar a todos.
Uma traidora, um encapuzado, uma passagem secreta e uma rainha misteriosamente doente. O que você faria por quem ama? O que estaria disposto a sacrificar por sua liberdade? Conheça o mundo de Aurorya em uma aventura repleta de mistérios, magia e criaturas demoníacas.

"Promessas de uma vida livre de maldições. A vida que Kahlan sempre sonhou".
(Lendárias - A Legião)


Em  Lendárias - A Legião, a história começa após Kahlan líder do clã guerreiro das bruxas lendárias ― ser capturada, tendo suas forças rendidas através do Bracelete de Endora, sendo levada ao Rei Augustus por Lian Ruthven, guerreiro legionário. Homem de confiança do Rei, que ordenou que a bruxa fosse entregue aos seus domínios com vida.

Com o assassinato da Grã-Bruxa, Kahlan fora convocada para, quem sabe, assumir o seu lugar.

Será que haviam sido traídas? Que seu rapto e o assassinato da Grã-Bruxa fariam parte de uma emboscada preparada por algumas das Lendárias, traindo todo o clã?

No caminho até Vanmarah,  bruxa e os legionários acabaram criando certo vínculo, parecendo terem algo em comum. No percurso, muito do que aqueles homens pensavam sobre ela e os conceitos de bruxas em geral, aos poucos, começava a cair por terra.  Kahlan não seria assim tão má como a rotulavam.
O mesmo também começou, com o passar dos tempos, a lhe ocorrer com relação a eles, que  ela antes via como grosseiros e carrancudos.
" 'Não chore, seja corajosa, seja forte!' . Kahlan repetia para si a mesma frase de sua mãe toda vez que o medo tentava dominá-la e isso lhe dava coragem de enfrentar o que quer que fosse no seu caminho".
(Lendárias - A Legião)


Em Lendárias - O Oráculo a trama tem sequência com algumas revelações que haviam nos deixado com certo gostinho de quero mais no primeiro livro, já que aqui nos referimos a uma saga uma quadrilogia, para sermos mais exatos. Dentre tais, damos início à chegada da bruxa junto dos legionários às terras do norte.

A narrativa traz ainda algumas mostras referentes a  Lendárias - A Legião, como o mistério acerca do nascimento de Lian, que sutilmente vai sendo lançado ao público-leitor.

Algumas questões sobre o "ser bruxa", "não ter coração", o amor e as posturas dos homens começam a serem postos em cheque. Dentre essas, a forma brutal como lhes teriam sido impostas.

Kahlan vive uma constante batalha interna contra as trevas.
"A líder deu um longo suspiro voltando os olhos para fora da janela. / ― Como posso amar alguém sem ter um coração? "
(Lendárias - O Oráculo)

Fato era que a linhagem das bruxas sofria de uma maldição ao qual Kahlan lutava por tentar dar fim. Existia um objeto em específico que colocaria a fonte de tudo isso subjugado, terminando com o mal de vez.
"Então ela gritou! E gritou novamente. Gritou o mais alto que pôde, até os pulmões doerem e a voz desaparecer por completo. (...) Então Kahlan chorou. "
 (Lendárias - O Oráculo)


Tanto nas 174 páginas de Lendárias - A Legião, quanto nas 184 de  Lendárias - O Oráculo, as narrativas são condizentes com os ambientes criados por nossa imaginação ao ouvirmos, de princípio, falar-se em bruxas, e Kahlan, como uma guerreira lendária, cativa ao leitor por sua honradez.

A construção do universo em que a história é traçada, bem como cada detalhe, cada descrição dos espaços por onde percorrem, como a Floresta Negra, por exemplo, é fantástica.


Os diálogos são bem elaborados, além de descrições simples de se ler, bem como a perfeita caracterização dos personagens, inclusive os secundários. Certas horas, nota-se poética em seus detalhamentos.
"Ela não era como descreviam as bruxas nas histórias que ouvira, como monstros na aparência de uma bela mulher, criaturas impiedosas que matavam por diversão. Sim ela era de fato bela, mas quanto a ser um monstro impiedoso..."
 (Lendárias - A Legião)

Outro ponto cativante na escrita de Cristy S. Angel é ressaltar o respeito pela natureza, certa relação com fadas e elfos, além de humanos, trazendo à tona uma história forte, de bruxas, irmãs de clã, mulheres lendárias.


Sobre a autora

Nome Cristiane, gaúcha, idade bruxa desconhecida e humana não comentada, (Rsrs) pseudônimo Cristy S. Angel, Autora de Lendárias - A legião. Nasci em Porto Alegre, sou mãe de dois meninos, e Jogadora de MOBAS e RPGS Online, mas meu favorito é o card game HS. Sou apaixonada por comida Italiana e amo chocolate e café. Amo chocolate, já disse isso? Haha!
Tenho diploma de detetive federal pela C.U.F.D, e já trabalhei de tudo um pouco. Já fui auxiliar de chapeação (ajudava meu pai na oficina de chapeação e pintura da minha família), revendedora, também Já fui auxiliar de cozinheira, fui babá, artesã...
O meu primeiro contato com a leitura foi através das HQs do tio patinhas que minha mãe sempre que podia comprava, e do conto da Bela adormecida ilustrado. O primeiro livro que li sem ilustrações foi da série vagalume que a minha professora de português nos entregava toda semana para ler e fazer resumo da leitura. O meu favorito era “A Arvore que Dava Dinheiro”. Nessa época comecei a escrever contos, mas nunca quis publica-los. Foi somente depois de ler Instrumentos Mortais de Cassandra Clare, que me apaixonei pela literatura fantástica de fato, conheci vários outros títulos do gênero, e o meu favorito é Trono de vidro de Sarah J. Maas. Hoje sou Potterhead, caçadora de sombras, campeã, tributo, divergente. E Lendária é claro!


Histórias incríveis! Histórias de bruxas, mulheres potentes e corajosas!
Leriam? 
Me contem nos comentários!
Beijos literários!

2 comentários

  1. Que resenha showwwww!!! Super amei a escolha dos trechos <3 Muito obrigada pela parceria <3

    ResponderExcluir
  2. Que bom que gostou! Fico mesmo muito feliz com seu retorno e confiança em meu trabalho! É lendário! E que venham os próximos! Bjs

    ResponderExcluir