34/2020: TAÇA ESCARLATE

"Mulheres frágeis ou surpreendentes, mulheres decentes ou imorais, não as julguem, elas são apenas retratos da sociedade, pincelados com poesia, aromatizados com um pouco de fantasia e inquietação".
Olá, como estão? Espero que bem! 
Nesta nossa primeira resenha da semana, eu não poderia deixar de falar de um livro repleto de feminilidade.
Aborda a mulher em suas mais diversas amplitudes.
Bora conferir?! ;)


Título Original: Taça Escarlate

Autora: Luciane  Monteiro

Ano: 2019

Páginas: 176

Editora: Inverso

Sinopse

O livro traz contos que retratam os anseios da mulher: suas buscas, batalhas e descobertas.

São almas femininas que se expõem em cada narrativa; umas desfalecem enquanto outras se libertam e alcançam sua plenitude.




Um livro com trinta contos femininos em que a autora Luciane Monteiro nos traz o ousar, nos dias atuais, entretanto, frisando a "fragilidade" forte destas que libertam-se através de seus gritos (internos ou não!) às sociedades vigentes.

"Queria estar só para sentir as águas geladas cobrirem seu corpo frágil sob a seda suave. Queria estar só para sentir-se dona da noite e daquele pedaço imenso de tragédia".
Em Taça Escarlate, publicado pela Editora Inverso, a escritora (re)afirma ao público-leitor, amantes de contos e, neste caso, voltados às mulheres, a essência rara, contida em  espécies de taças que transbordam sensualidade, cada qual à sua moda, à sua história de vida, porém cheias de desejos e, algumas vezes, de chamas que ardem.

Traz, em contratempo, certa sutileza ao tratar desse ser que não se resume em ser taxado como "sexo frágil".

Trata de escolhas, de autodescobertas.

Trata do amor em suas mais diversas amplitudes.

Fala de um tema que quem acompanha o Café com Leitura Blog sabe o quanto aprecio, o quanto valorizo: o falar da mulher em suas (des)construções, em seu (re)ssignificar. E é o que vemos nesse material tão bem trabalhado, tão bem diagramado, com um capricho que é característica da Editora Inverso, inclusive através do Programa de Fomento à Leitura.


"Hoje acordei rainha e desfilei graciosamente ao som de Ravel. O tapete vermelho bordado com fios de ouro se estendia longo sob meus pés. Meu sorriso, sempre discreto, digno de uma rainha adorada por seus súditos, desejada por seus amantes, endeusada por seu rei".
Mulheres com hábitos e costumes que perpassam os tempos.
Mulheres que sentem-se presas às gaiolas do cotidiano, outras que desprendem-se, (des)constroem-se...

... até que voam!




Algumas narrativas bem curtinhas, breves, outras um tanto mais longas.

Umas cercadas por diálogos e outras não. Porém, sempre a ressaltar o ser mulher e o transbordar de seus autorresgates.

"Não era mais dona de casa, morava num trailer à beira da praia, perto da barraca onde vendia bebidas tropicais. Não era mãe, não era esposa, era apenas mulher. A mulher que tinha esquecido que fora um dia e que agora resgatava. Tornara-se selvagem, tornara-se viva e diariamente escreveria uma nova história".
Várias são as personagens: Anas, Marias, Teresas, Beatrizes, LaurasClarices...

... contrapõem-se e ao mesmo tempo fundem-se à magia dos poetas!

Drummond, Camões, Fernando Pessoa, Goethe...




Devaneios misturam-se a doces lembranças, outras quem sabe meio amargas. São toques de verdade!

"Aquele espetáculo de flores multicoloridas à minha frente, já com a noite se afastando e um tímido sol surgindo, fez-me sentir mais uma vez o perfume da minha rainha, mas eu estava muito zonzo e nem sentia minhas pernas àquela altura.".
Contos que velam, de certa forma, por um universo tão comedido e tão voraz, tão sutil e ao mesmo tempo tão denso, quanto o universo feminino em sua mais extensa plenitude.

Sobre a autora


LUCIANE MARTINS MONTEIRO é natural de Paranaguá, residente em Curitiba. Graduada em Letras pela PUC-PR, pós-graduada em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira pelo CEFET-PR, e em Ensino de Jovens e Adultos pela Faculdade São Braz
Atualmente leciona inglês para alunos do ensino médio no Colégio Estadual São Pedro Apóstolo. Participou das antologias Po&Teias 1 e 2, com um grupo de escritores independentes, e da Antologia Conto Brasil.
Lançou, como escritora independente, o e- book Estela Becker solitária e intensa, e o livro História de uma vida: Memórias de Dona Nilce.


Eu fiquei fascinada com a escrita da autora! Aliás, é mesmo, como eu disse, um tema de  que admiro!

E vocês, já leram?
Conheciam o trabalho da autora?
Vamos conversar!

Beijos literários!

6 comentários

  1. Eu amei essa leitura! Desde a capa que ficou perfeita, quanto a cada conto e a cada mulher ali representada pelas mãos da autora.
    Com certeza entrou para uma das melhores leituras do ano!

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia a autora!!! Esses dia estava procurando algo leve para ler antes de dormir, mas queria algo para terminar no mesmo dia...Pensei em poesia, mas agora lendo seu post, reparei que não tenho contos aqui, e a sua indicação parece ser exatamente o que eu quero...
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Amei a resenha e a capa do livro é fantástica! Também adorei saber que a autora é brasileira!
    Contos em geral me agradam bastante, então fiquei bastante curiosa para ler!

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Adoro livros com temáticas assim, sobre as múltiplas facetas do ser humano, especialmente da mulher. Como você mesma disse, também valorizo muito leituras que abordem a (re)construção e a (re)significação da mulher, em si mesma, em suas relações e no contexto da sociedade. Adorei a dica, deu vontade de ler!

    ResponderExcluir
  5. Esse é o primeiro livro que vejo que tem contos com tema feminista, parece ser textos fortes e com sentimentos que emocionam o leitor. Essa obra poderia ser usada para projetos do Dia Internacional da Mulher. Foi uma excelente dica que nos deu, sem falar na resenha e fotos que estão perfeitas!!!

    ResponderExcluir