18/2020: A PRINCESA SALVA A SI MESMA NESTE LIVRO

"Chegou um tempo em que a poesia me mostrou como sangrar sem a necessidade de sangue..."
Olá, como vão? Não há melhor maneira de iniciar uma semana do que com um livro cheio de questões reflexivas acerca do empoderamento, rodeado dos contos de fadas, e ao mesmo tempo mesclando-se a fatos do cotidiano feminino.

Eu refiro-me ao livro A Princesa Salva a Si Mesma Neste Livro, da escritora Amanda Lovelace.


Título Original: A Princesa Salva a Si Mesma Neste Livro

Autor:  Amanda Lovelace

Ano: 2017

Páginas: 208

Editora: Leya


Sinopse

A princesa salva a si mesma neste livro, de Amanda Lovelace, é comparado ao fenômeno editorial Outros jeitos de usar a boca, de Rupi Kaur, com o qual compartilha a linguagem direta, em forma de poesia, e a temática contemporânea. É um livro sobre resiliência e, sobretudo, sobre a possibilidade de escrevermos nossos próprios finais felizes. Não à toa A princesa salva a si mesma neste livro ganhou o prêmio Goodreads Choice Award de melhor leitura do ano de 2016, escolha do público. Esta é uma obra sobre amor, perda, sofrimento, redenção, empoderamento e inspiração. Dividido em quatro partes (“A princesa”, “A donzela”, “A rainha” e “Você”), o livro combina o imaginário dos contos de fada à realidade feminina do século XXI com delicadeza, emoção e contundência. Amanda, aclamada como uma das principais vozes de sua geração, constrói uma narrativa poética de tons íntimos e cotidianos que acolhe o leitor a cada verso, tornando-o cúmplice e participante do que está sendo dito. Acessível e de fácil compreensão, seu A princesa salva a si mesma neste livro vai tocar os corações até mesmo de quem não gosta ou não tem o hábito de ler poesia, pois aborda sentimentos comuns a qualquer ser humano, principalmente às mulheres.


Em seu "Era uma vez...", o livro é dividido em quatro etapas.

A primeira delas retrata "a princesa", que nos desvela seu gosto pelos livros, sua admiração pelas palavras, até mesmo como forma  de esconder uma aparente solidão.

Nos conduz até a sua adolescência, tratando de temas que refletem o cotidiano de jovens "princesas" dos dias atuais, como  (sobre)peso, o primeiro beijo, amizades, segredos, paixonites, relação mãe e filha, dúvidas acerca do seu "eu" interior...
"A princesa fechou a si mesma longe na torre mais alta, esperando um cavaleiro de armadura brilhante que viria para resgatá-la. _ não me dava conta de que podia ser meu próprio cavaleiro".
E ela cresce, e vira uma donzela.

Descobre o amor...
... e a dor que ele nos oferece.

A perda da inocência,
a morte de pessoas que ama muito
e a dor que a corroía antes mesmo de atingir os 19 lhe trouxe revolta, 
amargura, 
e a fez questionar se de fato existe um céu, 
ou um Deus...
"Talvez eu ache tão difícil acreditar no céu porque não sei se vai ter poesia lá."

Até que essa princesa, 
mesmo em meio a tanta dor,
a tantas dúvidas e desacertos, 
certo dia, 
de donzela, 
tornou-se rainha!
"ele me abriu como um livro & derramou a poesia dentro de mim outra vez".

E nesse ínterim,
(re)descobriu amores, desejos, amizades, traições...

Quanto amor!

Amor que dá forças,
que se mesura às palavras contidas em livros,
e em xícaras de café a dois.

Clichês.

Quando finalmente conseguimos nos encontrar na história, 
na sua última parte, 
denominada VOCÊ
somos convidados (ou talvez até intimados)
a escrevermos nossas próprias histórias.
"estou bem segura de que você tem poeira de estrelas correndo por essas veias. _ as mulheres têm um tipo de magia".
Com as palavras certas por entre a poesia,
nos reafirma a força e a garra feminina.
Nos induz a prosseguir.
Nos ensina a sermos sereias.



Ressalta reflexões sobre a "cultura do estupro",
o amor próprio, 
o respeito por nós mesmas.
"pendente: o seu próprio final feliz. _ você vai chegar lá".
Livro de número considerável de páginas, o suficiente para levar leitores (inclusive, e talvez principalmente ledoras), a uma leitura rápida, porém incrível e importante a nos alertar quanto ao leque de temas abordados no material.

E aí, gostaram? 
Eu simplesmente amei e já quero mais de Amanda Lovelace!

Já leram A Princesa Salva a Si Mesma Neste Livro? E o que acharam? Conhecem mais materiais da autora? E qual ( ou quais) me indicariam a ler? 
Bora papear!

Beijos literários!


3 comentários

  1. Que fotos lindas essas do post. Combinaram com o tom do livro hehe! Inclusive, já vi ele por aí em diversas livrarias, mas nunca me animei MESMO para ler por não considerar poesia e poemas um gênero pra mim. Mas já li alguns dos poemas do livro; gostei de uns, e outros nem tanto. :)

    ResponderExcluir
  2. Como bem dito na sinopse eu sempre confundo os livros da Amanda Lovelace e da Rupi Kaur. Da Rupi já li Outros jeitos de usar a boca e gostei muito, alguns dos poemas realmente me trouxeram o sentimento de identificação e proporcionaram ótimas reflexões. Da Amanda ainda não li nada, mas tenho aqui esperando para ser lido "A bruxa não vai para fogueira nesse livro". Gostei muitos dos trechos que você trouxe no post e fiquei com vontade de ler o livro todo, mas primeiro vou ler esse que já tenho por aqui.

    ResponderExcluir
  3. Olá Ana,
    Sabe que outro dia vi este livro na feirinha e fiquei a pensar se era bom, acredito muito no poder das mulheres que assim como a terra são geradoras de grande energia para todos aqueles que estão a sua volta, o respeito a nós mesmas e todo valor que devemos nos dar e não esperar que outros façam isto por nós. Beijos lindas fotos!

    ResponderExcluir