16/2020: VOZES DO JOELMA - DIÁRIO DE BORDO - DIA 05: AS APRESENTAÇÕES (TIAGO TOY)

"Descrever minhas características seria interessante _ se eu ainda conseguisse rememorar meus traços. Presenciei a queda de impérios, a ruína de civilizações e o desaparecimento de cidades inteiras, e talvez o número de almas que devorei tenha contribuído com a minha transmutação."
Olá, como vão todos vocês? Eu estou ótima, com um misto de sensação de missão cumprida, satisfeita, mas com dó no coração por justamente estarmos terminando o diário de bordo de Vozes do Joelma: Os Gritos que Não Foram Ouvidos, publicado pela agora parceira do "Café", a Faro Editorial. Nesta última postagem eu não poderia deixar de fechar com chave de ouro com a brilhante apresentação do escritor Tiago Toy, que discorreu com maestria por cada um dos quatro contos.


Com uma narrativa de abertura sombria, interligando-se aos demais textos da proposta e percorrendo até o fechamento da obra, o autor consegue, enredado ao terror e às lendas  envoltas ao espaço onde fora construído o Edifício Joelma, mesclar o horror a uma escrita um tanto poética, ouso afirmar, e ainda com o cuidado em não permitir que seu trabalho encaminhe-se a certo humor negro. É assim que consigo visualizar um pouco (apenas um pouco!) do que senti ao abrir as primeiras páginas do livro Vozes do Joelma: Os Gritos que Não Foram Ouvidos e deparar-me com a escrita de Tiago Toy, ao qual ali fui apresentada.

Com um trabalho de pesquisa intensa, o que é nítido percebermos,  e que fora realizado por cerca de menos de uma semana, com a disponibilidade de quatro horas diárias em média,  além de enfoques e inspiração em alguns contos e na série Locke & Key, baseada na Graphic Novel de Joe Hill, foi que o querido Tiago chegou à famosa lenda urbana do homem com o molho de chaves, que algumas pessoas juram ter visto e/ou ouvido, e que também foi pano de fundo do conto narrado por Victor Bonini, que aliás tem resenha aqui e lá no canal. Segundo relatos do próprio Tiago Toy , o título dado ao seu personagem _ "O Devorador de Almas"_ surgiu de tais inspirações e logo após o lançamento do livro.
"Do que serias capaz para abrandar a sensação de brasa  correndo nas veias?"
Outra característica observada em sua escrita, fora o diálogo que ele propõe aos leitores o tempo todo por intermédio de seu personagem, aproximando-nos daquilo que nos propusemos a ler. Magnífico! 

Sobre o autor
Tiago Toy nasceu em Jaboticabal, interior de São Paulo, em 1985, e se mudou para a capital paulista em 2009 em busca de seu futuro, ainda alheio ao fato de que encontraria na escrita sua realização profissional. Lançou seu primeiro livro, Terra Morta, em 2010 após ser convidado por uma editora a transformar em trabalho a história que publicava na internet como hobby. Seu segundo livro veio em 2014, e como autor convidado participou de diversas coletâneas, sempre fiel ao gênero terror. Desde então, Toy decidiu trancar o curso de Game Design e tirar um longo período sabático para estudar a arte da escrita e amadurecer suas técnicas – amadurecimento esse que pode ser visto em seu novo livro, Vozes do Joelma, para o qual foi convidado pela Faro Editorial para fazer parte do time de autores já consagrados que deram corpo à obra. Atualmente Tiago Toy trabalha em seu próximo livro.
"Vozes do Joelma tem alma em cada página."  (trecho de entrevista dada ao Faroníacos)
E aí, o que acharam? O cara arrasa, então se vocês ainda não leram o livro, bem como ainda não conheceram seu trabalho, ou o dos demais, não percam tempo! E não percam tempo também se ainda não conferiram cada resenha aqui no blog, assim como cada um dos cinco vídeos da playlist. Foram feitos com muito carinho!

Ah, e se quiserem conferir a entrevista que o escritor nos forneceu na íntegra,  no instagram do Faroníacos, acompanhem daqui!

Beijos Literários!


2 comentários

  1. Oi, Ana!
    Eu nunca tinha ouvido falar do Tiago e nem dessa publicação da Faro, mas achei a temática do livro absolutamente genial! O Edifício Joelma entrou pra cultura popular do Brasil depois do incêndio mesmo, com suas lendas urbanas de maldição e bençãos... Bacana demais ele se dedicar tão fielmente à pesquisa pra escrita, demais!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Ana. Vi a resenha no Youtube e Jesus Cri- Ops, entidade errada. Vamos lá.

    ...Devorador de Almas! Que vídeo foi aquele? Muito, muito bom! Se para um autor receber um elogio é bom, imagina uma resenha dessa.

    Ana, você é maravilhosa em tudo que se propõe e não me canso de dizer isso. Sua contribuição para com o nosso trabalho é o que fortalece as vigas da nossa carreira e nos dá ainda mais combustível para acelerar rumo à evolução. Sendo elogiado assim a gente só pode querer escrever ainda melhor.

    Muito obrigado pelo tempo reservado para preparar o material, pelo carinho de sempre e por tudo que você faz para a literatura. É de gente como você que precisamos.

    Bjão do Toy (e um cheiro do Devorador de Almas, rs)!

    ResponderExcluir