EU SINCERAMENTE NÃO ESPERAVA QUE VOCÊ VIESSE


Sentada num banco de praça qualquer,
protegida por um guarda-chuva que saracoteava 
conforme a dança do ventos e que sacudia os bambuzais.
Chovia, estava frio,
mas eu permanecia ali.

Eu sinceramente não esperava que você viesse.

Não acreditava.
Na verdade, torcia que realmente estivesse bem longe
(mas... ah! Como eu o queria por perto!)
Bem aqui,
pra eu sentir seu cheiro, 
de olhos fechados.
Que desespero!

Eu sinceramente não esperava que você viesse!

E quando me peguei, 
estava aqui.

Queria memórias, mais próximas.
Queria sorrisos...

...me fez feliz.!
Chegue perto 
(mas não tão perto assim!).

Sentira a minha inocência,
a minha verdadeira essência
minhas inquietudes...
... riu de mim
(o que pouco  importa!)

Ainda assim, ousou mais uma vez me fazer sorrir!

Como eu quis!
Como eu quero!
Acredite,
é sincero.
É sério.
Tão sério que chega a ser singelo.

Te espero
Não quero,
mas quero.
Como quero!
Eu quero...

Eu sinceramente não esperava que você viesse.

Timidamente,
sem olhar nos olhos,
francamente.
Aproveitei.

Olhos vedados,
o vento no rosto gelado.
Um arrepio na pele,
usando e abusando dos meus sentidos
do toque,
das suas mãos,
na minha nuca...

Imaginação aflorada
sorrisos
gargalhadas.

Depois da chuva,
o céu, 
o sol,
 a lua e as estrelas 
na palma das minhas mãos.

Tantas palavras a serem ditas,
exclamadas,
sussurradas.

Você chegando cada vez mais perto

Certezas hão de haver
E as quero!
Como quero!

Eu sinceramente não esperava que você viesse.

Me provaste o contrário.









20 comentários

  1. Amei o poema! <3 imaginei cada cena e pude sentir tudo o que está escrito aí.

    ResponderExcluir
  2. Acho que qualquer um que já viveu um amor intenso, mas incerto em alguma medida, recheado com uma insegurança qualquer, consegue se relacionar com esse poema. Lindo, leve, fluido e intenso, como a chuva. Amei.

    ResponderExcluir
  3. Que texto lindo! S2 Realmente a vida nos faz umas surpresas que não esperamos, mas que nos fazem aproveitas os pequenos detalhes da vida, como uma visita inesperada... e maravilhosa.
    Bjks!

    Mundinho da Hanna
    Pinterest | Instagram | Skoob

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Que carinho! E simmm, essa é a essência da vida, Hanna!

      Excluir
  4. A fluidez é enorme, adorei isso, Ana! Muito bom, essa relação com a manifestação intensa do amor é incrível, ainda mais por quem já passou por qualquer tipo de experiência traumática. E a questão da certeza x incerta do amor é um ponto chave!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uou! Vindo de você esse feedback me é maravilhoso! Grande beijo!

      Excluir
  5. Poxa, que texto intenso. Gosto quando as palavras sao jogadas nesse fluxo... Como um devaneio...
    Parabéns, Cláudia.
    Tschüss 😘

    ResponderExcluir
  6. Muitos dizem que a vida é uma caixinha de surpresas. Eu já digo que é uma caixa de Pandora, pois nem sempre recebemos o que desejamos. Poema intenso, reflexivo e realístico. Gostei demais.

    ResponderExcluir
  7. Nossa, que imagem linda! Eu amei a composição dela junto com o texto. Parabéns pela sensibilidade. Aqueceu o coração. Beijocas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uou! Obrigada! Sempre tento acessar imagens que dialoguem com a proposta dos textos. Uma honra ver que consegui aquecer seu coração!

      Excluir
  8. Poema tão verdadeiro e transbordando sentimento! É realmente fácil de se indentificar e sentir na pele certos versos. Além de possuir uma grande sensibilidade. Ótimo trazer esse ar bem reflexivo também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é verdade, Debora! Que bom que consigo atingir quem lê com o transbordar dos sentimentos. Gosto assim! ;)
      Grande beijo!

      Excluir
  9. Oi Ana, tudo bem? Que sensibilidade incrível esse texto. O que mais gosto em poesias/poemas é o poder que eles têm de nos transportar para um lugar, uma situação, ou ainda despertas os mais diversos sentimentos. Quem não inicia a leitura conseguindo visualizar alguém em meio a chuva esperando alguém? Alguém ansiosa, temerosa, contando os minutos para descobrir se o outro virá ou não. Aqueles minutos de frio na barriga. Que passam milhões de pensamentos pela cabeça. Mas que bom ela ter sido surpreendida. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uau, Erika! Que delícia ler seu retorno! É justamente assim que intento, sabe?! O ler misturado ao sentir. Porque é exatamente isso que gosto de visualizar quando leio algo. Sou de imaginar o que ouço/leio. Então, se alcanço essa meta nos leitores, me dou por satisfeita. ;)
      Bjs

      Excluir
  10. Oi, que gracinha de poema, achei visual, ao menos para mim, então fui pensando na cena e no conflito de sentimentos, não sabia que viria, mas veio, não quero, mas quero, o sentir na sua mais ampla forma.

    ResponderExcluir
  11. Que gostosa essa sensação, não é?? Grande beijo!

    ResponderExcluir