52/2019: EM ALGUM LUGAR NAS ESTRELAS

"Ligar os pontos. Minha mãe dizia que olhar as estrelas tinha ver com isso. 'Lá em cima é como aqui embaixo, Jackie. Você precisa procurar as coisas que nos conectam. Encontrar os jeitos com que nossos caminhos se cruzam, nossas vidas se interceptam e nossos corações se encontram' ".
Oi, oi! como vão? A resenha de hoje é, para mim, como um presente em forma de obra literária!
A magia e a poesia estão conectadas a cada palavra e a cada frase que tive o prazer de encontrar neste livro da Darkside Books! Livro esse que li em outubro junto do Darkside Readers Team com a #MaratonaDaCaveira.
Vamos conferir??

Título Original: Em Algum Lugar Nas Estrelas

Autora: Clare Vanderpool

Ano: 2016

Páginas: 288

Editora: Darkside Books


Sinopse

EM ALGUM LUGAR NAS ESTRELAS é um romance intenso sobre a difícil arte de crescer em um mundo que nem sempre parece satisfeito com a nossa presença. Pelo menos é desse jeito que as coisas têm acontecido para Jack Baker. A Segunda Guerra Mundial estava no fim, mas ele não tinha motivos para comemorar. Sua mãe morreu e seu pai... bem, seu pai nunca demonstrou se preocupar muito com o filho. Jack é então levado para um internato no Maine (o mesmo estado onde vivem Stephen King e boa parte de seus personagens). O colégio militar, o oceano que ele nunca tinha visto, a indiferença dos outros alunos: tudo aquilo faz Jack se sentir pequeno. Até ele conhecer o enigmático Early Auden.


Early, um nome que poderia ser traduzido como precoce, é uma descrição muito adequada para um prodígio como ele, que decifra casas decimais do número Pi como se lesse uma odisseia. Mas, por trás de sua genialidade, há uma enorme dificuldade de se relacionar com o mundo e de lidar com seus sentimentos e com as pessoas ao seu redor.


Obsessivo, Early Auden tem regras específicas sobre que músicas deve ouvir em cada dia da semana: Louis Armstrong às segundas; Sinatra às quartas; Glenn Miller às sextas; Mozart aos domingos e Billie Holiday sempre que estiver chovendo. Seu comportamento é um dos muitos indícios da síndrome de Asperger, uma forma branda de autismo que só seria descoberta muito tempo depois da Segunda Guerra, e que inspirou personagens já clássicos como o Sr. Spock (Star Trek), o Dr. House e Sheldon Cooper (The Big Bang Theory).

Quando chegam as festas de fim de ano, a escola fica vazia. Todos os alunos voltam paracasa, para celebrar com suas famílias. Todos, menos Jack e Early. Os dois aproveitam a solidão involuntária e partem em uma jornada ao encontro do lendário Urso Apalache. Nessa grande aventura, vão encontrar piratas, seres fantásticos e até, quem sabe, uma maneira de trazer os mortos de volta ainda que talvez do que Jack mais precise seja aprender a deixá-los em paz.

EM ALGUM LUGAR NAS ESTRELAS é uma daquelas grandes histórias que permanecem com você por muito tempo, perfeita para ler entre amigos ou passar de pai para filho. Tudo que é real pode ser uma grande fantasia ou uma coincidência inevitável. Somos muito mais que um simples desejo do acaso. Nossos caminhos vão se cruzar no primeiro semestre de 2016 nesta obra premiada com o Printz Honow Award em 2016, indicada a outra dezena de prêmios e eleita o livro do ano em dezenas de listas preparadas pelos leitores.


Fantasia, com toques de poesia misturada aos números!

Early Auden era diferente, um incompreendido entre os colegas de escola.
Enredado pelos mistérios da matemática, encantava-se pela música, através da história de Pi e em busca de seu irmão Fisher, que havia sido considerado morto pelo seu grupo. 
Fisher seria um verdadeiro herói de guerra.
"Na baía, quando o sol descia sobre os bosques a oeste, Early baixava a voz ao dar o comando 'Leva', que significava parar de remar e deixar o barco continuar o movimento até que ele pare. Lá nós descansávamos, aproveitávamos os últimos momentos de calor  do dia. E Early me contava sua história dos números. A história de Pi e suas aventuras".
Jackie traz a poesia na sua história de vida, a tristeza pela perda de sua sábia mãe e a fuga de seu pai a tudo aquilo.
Uma linda e forte amizade é construída através da junção dos números com as letras _ o Pi  e a poética _ com o consentimento  e a vastidão do mar e as estrelas.
"_Ninguém pode dizer nada sobre saber o nome das estrelas. O céu não é um campeonato ou uma prova.  a única pergunta é: você consegue olhar para cima? Absorver tudo aquilo? Quanto ao nome das constelações, elas não são meio nem fim. As estrelas não estão presas umas às outras. Estão lá para serem admiradas. Olhadas, desfrutadas."

Após a morte de sua mãe, Jackie mudou-se de escola, precisando acompanhar seu pai. E assim foi como conheceu Early Auden e como surgiu, das barreiras encontradas pelos dois tão cedo na vida, uma bela amizade, além de uma linda parceria.

Jackie sentia-se solitário, em um lugar diferente, com pessoas que não conhecia, sofrendo pela perda de sua mãe e a ausência de seu pai.
"O fogo se resumia a brasas, e o céu estava cheio de estrelas".
A aventura dos dois juntos tem um ápice quando, de acordo com o professor de matemática dos meninos, os números do pi acabariam em dado momento, e isso intrigou, de alguma forma, a Jackie.

Early lia os números, e conseguia identificá-los através de cores, formas e espessuras. Tinha um jeito todo especial de contar histórias. A música também o cercava, e a história de Pi, que fora narrada  na trama, embora, na verdade, não se saiba ao certo se aquela narrativa seria apenas uma lenda, ou coisa da cabeça dele.  

Enquanto conhecemos Pi através dos números 3,14, Early, por ser um menino com um dom incrível, único e especial, o enxergava de maneira muito maior...



E Pi, segundo ele, guiava-se em altar por orientar-se através da Constelação de Ursa Maior.
"Ele tinha certeza de que o número pi continha uma grande história. De que, ao contrário do que afirmava a teoria de um  renomado matemático, o número e a história que seus algarismos contavam nunca acabariam."
E toda a trajetória de Early e Jackie se dava em busca da Constelação de Ursa Maior, pois Early acharia que seria o caminho a encontrar Pi, e seu irmão Fisher, que estava, para ele, apenas  desaparecido, embora fosse oficialmente dado como morto.

Seria tudo isso verdade?

Estaria ele certo?

 Como encontrariam a solução para tantas questões, mistérios?...

... os números poderiam ser a solução!

E estariam mesmo os números desaparecendo?

Fato é que o menino Early, em meio a balas de goma de todas as cores, além de muitas anotações, sempre comparava a jornada de seu irmão Fisher com a jornada de Pi.

Fragmentos de histórias com esqueletos, cavernas, cachoeiras, piratas e ursos envolvem toda a trama de Clare Vanderpool  em Em Algum Lugar nas Estrelas .
"Enquanto isso, tenho um pedaço de papel preso à parede. É um desenho da minha constelação (...) Com um lápis vermelho, ligo as estrelas. E, não por coincidência, elas formam o desenho de uma xícara de chá com florezinhas vermelhas".

Bom, só posso dizer que tirei lindas lições com a leitura desse livro, que me atraiu pela poética, que vejo como um diferencial das leituras que conheço da Darkside Books

Uma narrativa que retrata o valor da amizade, o amor de mãe, cartas, telegramas, mensagens datilografadas, as estrelas, relação com a morte, Pi...

... a mim, real encantamento literário, trabalho de pesquisa massivo por parte da autora!

Resumo essa leitura como o que gosto de encontrar nos livros! 

E espero que tenham gostado!
Já leram? O que acharam? Leriam? 
Me contem;) !

Beijos literários!

8 comentários

  1. Eu não imaginava a leitura desse livro assim. Adoro histórias que retratem a amizade e os personagens me pareceram tão diferentes e cativantes. Além dessa capa que é linda!!
    Fiquei encantada!

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Eu também fiquei encantada!Obrigada pela visitinha, amiga!Bjs

    ResponderExcluir
  3. Eu já quero também rs, nessa Black só vai dar Dark Side . Resenha linda parabéns, agora já sei do que se trata a obra e já posso comprar, bj.

    ResponderExcluir
  4. Tenho muita vontade de ler esse livro, ainda mais agora com sua resenha. É um daqueles livros que marcam nosso coração e nunca mais esquecemos. S2
    Bjks!

    Mundinho da Hanna | Instagram

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem? É até impossível não gostar das edições da Darkside. Uma capa mais linda do que a outra. Amo livros de capa dura, não sei porque mas parecem que eles duram mais. Com relação a história achei bem legal a proposta. É tão bom quando terminamos a leitura com tantos ensinamentos e reflexões. Fiquei bem curiosa para ler. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  6. Oi, Ana! Primeiramente, eu acho tão linda e incrível a edição dessa capa do livro! Eu tinha muita vontade de conhecer a história desse livro, mas não fazia ideia de que o conteúdo era tão espetacular assim. Adorei que a trama possui essa pegada de fantasia e poesia com números. Já gostaria de de conferir a obra na íntegra, depois de ler todas as suas palavras deliciosas a respeito da mesma. E também, achei maravilhosa a mensagem sobre precisar procurar as coisas que nos conectam. Achei o máximo!

    ResponderExcluir
  7. Oi, Ana! Primeiramente, eu acho tão linda e incrível a edição dessa capa do livro! Eu tinha muita vontade de conhecer a história desse livro, mas não fazia ideia de que o conteúdo era tão espetacular assim. Adorei que a trama possui essa pegada de fantasia e poesia com números. Já gostaria de conferir a obra na íntegra, depois de ler todas as suas palavras deliciosas a respeito da mesma. E também, achei maravilhosa a mensagem presente no quote inicial, sobre precisar procurar as coisas que nos conectam. Achei o máximo!

    ResponderExcluir
  8. Esse livro parece ser incrível, comprei ele ano passado e até agora não consegui ler, porém tá na minha lista de final de ano!

    ResponderExcluir