49/2019: A ESPOSA DO REI

"_E o que era para ser um minuto, transformou-se em um dia. E o que era para ser um dia, transformou-se em semanas, e quando o príncipe se deu conta, não queria mais retornar. Estava perdidamente apaixonado pela bela jovem do mundo azul. A linda menina, que havia lhe mostrado tudo, roubou-lhe o coração e a alma".
Então, gente! Hoje estou aqui para lhes trazer uma resenha que meu coração tem prometido faz um tempinho! É a história de uma jovem do planeta azul que, de morta, inimaginavelmente, transforma-se na Esposa de um Rei!

Estão curiosos? É só me acompanhar!


Título Original: A Esposa do Rei

Autora: Miriam Okuno

Ano: 2018

Páginas: 312

Editora: The Books


Sinopse
Ela não queria nem um príncipe, muito menos um Rei. Mas por ironia do destino, ou pela Leide Murphy, um soberano, para lá de irresistível, cruzará o seu caminho.

Já imaginou ser levado por um buraco de minhoca para outro planeta? Pois é. Everlin também não. No entanto, após um grave acidente de avião, o que era para ser o fim de sua história, se transformou no início de uma grande aventura. Em outro planeta, Everlin se tornará “A Esposa do Rei” e descobrirá que a Terra e este estranho mundo estão mais conectados do que imaginava. E que a disputa pela ponte “Einsten-Rosen” poderá significar o fim dos dois mundos. Durante essa jornada inesquecível, descobrirá um mundo maravilhoso, pelo qual dará tudo de si para proteger e entenderá que, mesmo constantemente se afastando do amor, o amor jamais se afastará dela.

Apaixone-se por essa história de amor que transcende o tempo e o espaço.



Everlin, ou Lin, narra a sua história de maneira compreensível o suficiente a prender o leitor em sua trajetória até tornar-se A Esposa do Rei, algo que ela jamais imaginaria um dia acontecer.

Durante toda a narrativa, ela nos apresenta a um garoto que conheceu em férias, na sua adolescência. Seu nome era Dáian.

Dáian, que em princípio ela achasse ser mudo, regulava a sua faixa etária, e mexia com ela. 

O encontro dos dois, e a amizade que foi crescendo, parecia mágica. Amizade essa que fora além em sentimentos. Em verdade, era ele  que parecia mágico... 
"Sorri. Com o cabelo preso daquela forma, senti-me mais à altura de ser um par para ele, afinal a beleza dele, não só superava a minha, pelo menos na minha humilde opinião, como também era diferente de algum modo, de um jeito que eu não sabia explicar. Era como se a cadeia de seres humanos que deram origem a Dáian tivesse evoluído de um jeito diferente de todas as demais".
Dáian, tinha questionamentos e atitudes que a deixavam sem entender, porém, em certas horas, achava engraçado.

Mas quem ele era? De onde viera? 

Com o fim das férias, não mais se viram. Ele havia ido embora, e ela, triste, retornara com seus pais à sua vida cotidiana.

Anos mais tarde, em uma viagem de avião, algo trágico lhe ocorre.

Será que Lin sobrevivera?  

Afinal, após aparentemente acordar, a jovem é atendida por um casal, e observa parecer estar em outro local que não fosse a Terra ou outro planeta por ela conhecido, o que a assustou, fazendo com que dúvidas pairassem em sua mente. 

Teria Lin sobrevivido? Ou teria morrido? Como faria para saber?

A moça que tornou-se sua amiga durante o período que  a resgatou estava apaixonada por um rapaz, mas havia sido prometida ao rei a ser uma de suas esposas. Em compaixão e  em gratidão àqueles que a resgataram, resolveu ir em seu lugar, de modo a juntar-se ao harém daquele misterioso rei. Assim, Everlin começa uma nova etapa da sua trajetória naquele lugar distante, e que a tornaria A Esposa do Rei.



Rei Sete era um homem másculo, jovem, bonito e bem quisto diante de suas esposas mas, com a recusa por parte de Lin em passar sua primeira noite com ele, o fez começar a olhá-la de maneira diferente das demais, até mesmo porque isso era algo que ela realmente era diante das demais. Assim, um delicioso e divertido jogo de sedução começa entre rei Sete e ela.
"Não estava em meus planos me tornar uma esposa do rei, e, por isso, eu teria de retraçar todo o meu plano".
Rei Sete, como dito, tinha um harém, mas tocou-se pelo jeito diferenciado da moça de fora.

Lin tentava por todo instante fugir do que a estava envolvendo às suas astúcias, mas o que ela não percebia era que mesmo negando, seria aquela que tinha as verdadeiras características de quem deveria estar ao lado dele. Não notara que seu interesse gradativo pela luta, suas atitudes de mulher independente e forte, que não se prenderia a homem algum a tornaram uma guerreira naquele planeta. Tudo isso de fato faria dela a verdadeira Esposa do Rei.
"Só precisei de um único momento para deixar minha inimiga no chão, subjugada. Foi então que eu percebi que, de fato, eu havia me transformado em uma guerreira".
A sua relação com o Rei Sete, desde a chegada ao palácio, dá ao leitor um toque de comédia romântica a essa história que, contada pela personagem central, nos traz a aparente característica de um romance fantástico, em que Everlin nos apresenta através de seu olhar diferenciado das demais esposas. 

Ele faria qualquer coisa para ganhar seu coração, mas a jovem guerreira era durona, e não deixaria se convencer tão facilmente de possíveis sentimentos por ele, o que a traz traços daquela mocinha provinda de um outro planeta. 



A relação entre Sete e Lin com certeza a faz crescer e nos presenteia com traços divertidos na história de Miriam Okuno.

Uma doença altamente contagiosa começa a circular pelos arredores de seu reino, estando cada vez mais próximo de todos. Mas na verdade, Lin já havia tido contato com esse mal quando conhecera a família que a acolheu assim que fora parar naquele planeta. Apenas ela seria capaz de agir, a fim de salvar vidas e tentar evitar que aquela peste se espalhasse ainda mais, o que a aproximou do Rei com mais força. 

Sem notar, ela estava cuidando para que ele se mantivesse sadio, assim como ele preocupava-se com ela. Não observara que preocupava-se com Sete, e o protegia...

A praga, proveniente de uma terrível bactéria, ficara conhecida como "o terror oculto", e estava assolando as regiões nos arredores, causando espanto em todos. Lin ficara conhecida como aquela capaz de sanar a doença.
"Comecei a pensar que, talvez, meu propósito já não fosse mais procurar por minha felicidade, e sim pela dos outros."
No ápice dos eventos, Lin começa a perceber que o rei tinha segredos que poderiam envolvê-la por inteiro...
Será que eles realmente teriam um final feliz?...

Com a missão de proteger  "Einstein-Rosen" e esconder a tão misteriosa e procurada  "Ponte dos Mundos" , impedindo que o povo do nosso planeta descubra de fato sobre a existência do buraco de minhoca, a trama dessa Esposa do Rei continua no próximo livro de Miriam Okuno

Agora, além de esposa, Everlin se tornará A Heroína da Rei!

Sobre a autora



Miriam Okuno é analista jurídico do Ministério Público do Estado de São Paulo. Formada e pós-graduada em Direito, sempre foi apaixonada por romances, histórias de ficção e aventura. Entretanto, os livros que lia, mesmo suas histórias favoritas, nunca retratavam o final que desejava, até que passou a criar seus próprios finais, descobrindo essa nova paixão por contar histórias.
Nascida na cidade de Reginópolis, viveu a maior parte de sua vida da cidade de Bauru, passando por Paraguaçu Paulista e agora pela capital, São Paulo, onde reside atualmente.
Seu maior sonho era escrever um romance divertido, que levasse o leitor para outro mundo. O livro “A Esposa do Rei” é a realização desse sonho.

E aí, gente? O que acharam? Eu simplesmente adorei toda a desenvoltura da autora no delinear da trama! E quero muito ler essa continuidade!

Me contem aqui: já leram A Esposa do Rei? E o que acharam? E A Heroína da Rei, pretendem ler ou já leram? Quero saber de tudo!

Beijos literários!


5 comentários

  1. Uaaaaaau!!! Esse livro é sensacional!! Quero lê - lo em breve.❤️❤️❤️

    ResponderExcluir
  2. Uau! Esse livro parece incrível! E o melhor: Um livro brasileiro de fantasia/aventura! Amei a resenha!

    ResponderExcluir
  3. Que delícia de enredo!
    Romance com uma pitada mágica de fantasia!
    Adorei a resenha, amiga! Parece um livro muito bem pensado e construído!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Não é o tipo de leitura que me conquista, cara mia. Até porque não precisamos ir para outro planeta para encontrar lugares onde a mulher não pode estudar, não tem voz. Aqui mesmo, em pleno século XXI, há países inteiros assim. Lamentavelmente.
    Mas, sabe que sua resenha me fez lembrar o livro (adaptado para o cinema) lanternas vermelhas. Maravilhoso e difícil de assistir-ler.

    bacio

    ResponderExcluir
  5. Mais uma envolvente resenha e adorei as fotos. Este assunto sempre desperta raiva e paixão, seja um oprimido que se vê libertado ou um opressor com a chance de rever seus tratos, acho sempre interessante. Vou atrás dos dois :)

    Abraço

    ResponderExcluir