BATE-PAPO COM O AUTOR ANDERSON ASSIS

Oi, pessoal! Faz tempo que não trago aqui bons bate-papos com autores! Então, por que não retornar com essa série de deliciosas conversas regadas a livros e xícaras de café, não é verdade??!

No início de agosto eu li um livro que achei muito gostoso ter tido a possibilidade de me aventurar, que foi "Danilo e o Evento de Anime", do escritor Anderson Assis  que aliás, já tem resenha aqui  no blog.

Eu gostei tanto daquela leitura tão jovial, que me senti animada a retornar com a série de bate-papos. E, é claro, retornando com Anderson Assis, autor desse mesmo livro!
Bora papear! ;)



 QUEM É O ANDERSON ASSIS NO DIA A DIA?

Um cara comum, apaixonado por livros e cinema. Diria até que tem abibliofobia (é, tenho pavor de ficar sem livro pra ler). Um cara que ama liberdade e que tem grande apreciação pela natureza. Amo ver o por do sol (pena que não possa fazer isso sempre). Além disso, é um cara que trabalha com produção de eventos e serviços gráficos. Atualmente fazendo graduação em Marketing.

 COMO VOCÊ SE INICIOU NO MUNDO DA ESCRITA? E NO MUNDO DOS ANIMES?

Bom, o mundo dos animes vem antes da escrita. Sempre fui apaixonado por desenhos animados e histórias em quadrinhos. Então cresci assistindo Show da Xuxa, TV Colosso e outros programas do gênero. Mas surtei mesmo foi quando a manchete trouxe para o Brasil os saudosos Changeman, Jaspion e Cavaleiros do Zodíaco. Por isso, quando cheguei a maioridade e entrei para faculdade de publicidade e propaganda, decidi produzir meu próprio evento de anime. O que me levou em 2003 a produzir meu primeiro evento chamado Anime Zone para em seguida, em 2004, criar o Anime Point, evento que daria vida ao cenário Otaku da zona oeste do Rio de Janeiro. Já no mundo da escrita eu mergulhei de verdade bem mais tarde, já em 2009, quando uma depressão me abalou sem a menor explicação e, para sair dela, eu me vi decidido a terminar ao menos uma coisa na vida e escolhi a única dependia inteiramente de mim: ESCREVER. Com isso, resgatei da "gaveta" um antigo projeto de histórias em quadrinhos que eu tentei desenhar por vários anos e nunca consegui sair do número 1. Então, com a depressão eu a transformo em livro e dando vida definitivamente a um cenário que eu sempre quis ver em quadrinhos e que tinha inspirações de obras como X-men, Yu Yu Hakusho e tantas outras obras de aventura e ação. E assim "Pré-Mortais" nasce e me resgata de uma fase triste e que poderia ter me levado a um fim precoce. Essa trilogia não só me resgatou da depressão como me mostrou uma missão que eu nem imaginava ter, que era falar da importância da leitura e da escrita para outras pessoas e aproximá-las desse mundo de palavras e ideias. Mas minha primeira obra foi feita com afobação de modo que foi entregue aos leitores com uma boa dose de falhas. Mas que por sua vez me ensinaram a importância da jornada e mostraram que escrever é um exercício constante e que contar história é uma prática incansável a qual não se chega a perfeição (minha opinião). Um escritor está em constante crescimento assim como a língua.

 DE ONDE VEIO SUA INSPIRAÇÃO PARA VOCÊ CRIAR A HISTÓRIA "DANILO E O EVENTO DE ANIME"?

Eu havia acabado de sair de outro momento complicado e precisava escrever sobre algum assunto que eu de fato dominasse com muita clareza (seria um exercício para não entrar em outra depressão. Seria uma produção para me ajudar a continuar em equilíbrio). Então, achei que valia a pena escrever uma história sobre o contato de um garoto apaixonado por Just Dance e mangá com um evento de anime que aconteceria pela primeira vez em seu bairro; o que por sua vez seria claramente uma homenagem ao meu trabalho com o Anime Point, que perdurou por longos e maravilhosos 12 anos.

 O PERSONAGEM DANILO TEM ALGUMA RELAÇÃO COM ANDERSON?

Além do fato de ser um apaixonado por animes e mangás, principalmente pelas obras clássicas, não. Anderson é um cara menos introvertido enquanto Danilo é na dele. Anderson prefere jogar RPG enquanto Danilo claramente se sente muito mais à vontade jogando Just Dance. Mas ele expressa certamente muito do meu carinho pela cultura pop japonesa e minha dedicação a esse universo.


 VOCÊ, COMO PRODUTOR DE EVENTOS, COSTUMAVA ORGANIZAR ESSE TIPO DE TRABALHO, FOCADO PARA A CULTURA POP JAPONESA NO RIO. TEM A INTENÇÃO DE DAR CONTINUIDADE? POR QUÊ?

Então, sim, foi maravilhoso promover esse tipo de evento, mas cheguei ao ponto de ficar, eu diria sem medo: frustrado. Mas em parte a culpa é minha, por insistir em um formato de evento que claramente havia mudado na época. Mas recentemente decidi dar uma nova chance a esse mercado e estou voltando com um evento teste de uma marca que já havia utilizado no passado. O Anime Premier, que é um evento que promovi no município de Itaguaí. Ele volta como um evento de auditório. Com suas atividades concentradas em boa parte dentro de sua caixa cênica, tornando seu palco um cenário de diversão para nosso público visitante, que é a principal Estrela do evento. Sobre o por quê, bem, sendo muito sincero, eu não tinha interesse em voltar a esse tipo de trabalho, mas no decorrer dos últimos 3 anos, percebi que há alguma coisa aí, cuja mesma requer minha atenção, mesmo que eu não esteja sincronizado com o público atual e vá ter que me esforçar um pouco mais para atendê-los. Mas eu não costumo ignorar os sinais do universo, então, vamos em frente. Que seja pelo menos um bom aprendizado.

 QUAL O VALOR DA CULTURA POP JAPONESA NA SUA VIDA?

Foi a cultura pop japonesa que me mostrou qual seria minha principal profissão. É por causa dela que decidi ser produtor de eventos, primeiro para promovê-la, e depois para promover a literatura (meu atual carro-chefe), mas não só isso. Me vejo promovendo todo tipo de evento desde que estes tenham cunho cultural e que entreguem alguma coisa para seu publico e que vá agregar em sua jornada pelo conhecimento. E principalmente, a cultura pop japonesa me tornou um produtor de eventos para que eu pudesse investir em uma região cuja as pessoas raramente dão atenção.

 POSSUI NOVOS PROJETOS LITERÁRIOS? E PODERIA NOS ADIANTAR UM POUQUINHO AO MENOS SOBRE ESSES?

Sim, tem muita coisa em andamento. Uma delas é uma pequena reestruturação na minha obra de estreia, para poder relançá-la. "Pré-Mortais" logo, logo dará as caras de novo, pelo menos como e-book, trazendo um pouco agora da minha maturidade na escrita (porém não mudarei a essência da história). Mas os principais trabalhos em andamento são: 1) “A Corte das Constelações”, que é um livro em volume único e que teve uma breve apresentação no formato de prólogo em 2017, num livro curtinho, sob o título de “O Mensageiro das Estrelas”, e que pode ser adquirido por enquanto somente em e-book no site da amazon.com, ou por encomenda com um pedido mínimo de 10 exemplares. O livro já foi inclusive lido em uma escola de ensino médio do bairro de Santa Cruz. A trama dessa narrativa fala sobre uma batalha entre Ares e Atena em pleno século vinte e um, onde Ares encarnou em um coronel do exército Brasileiro e Atena desperta no aniversário de 15 anos de uma jovem modelo. No enredo ela é protegida pela Corte das Constelações e precisa impedir que o deus da guerra tenha sucesso em sua investida por uma guerra nuclear mundial enquanto brinca de guerra civil em solo carioca. Claro que no prólogo temos apenas uma apresentação do que vem no livro em si e que ainda estou escrevendo; e 2) O outro trabalho será meu derradeiro primeiro romance não fantástico, onde irei abordar um assunto complicado: a bissexualidade. Um assunto que percebi que quase não se fala e que possivelmente é tão ou mais complicado que a própria homossexualidade. Mas ainda é um livro em fase de estudo e testagem. Não queria criar mero bafafá. Se for para o livro causar, que cause discussões relevantes. Além desses projetos em andamento, este ano eu lancei durante a FLIP (Festa Literária Internacional de Paraty) um livro de poesias e contos, onde apresento aos leitores o meu mergulho na escrita haicais, que são poemas em estilo japonês, além de entregar também nove poesias em estilo tradicional e que foram escritas pensando em músicas, assim como um apanho de contos e ensaios, onde testo minha escrita em diversos "estilos". O nome do livro é "Entre Notas e Haikais". E o grupo de textos que ele traz foram escritos no decorrer dos meus 9 anos de carreira.

 PRETENDE ESTAR NA BIENAL DO LIVRO DO RIO?

Sim, quero muito ir. Mas ainda não há nada confirmado. Para isso, os leitores precisam acompanhar minhas redes sociais, onde irei divulgar futuras participações em eventos. E a Bienal é um desses possíveis eventos. Principalmente porque estou muito feliz com as resenhas que o livro “Danilo e o Evento de Anime” ganhou recentemente. Acho que seria uma oportunidade bacana para o público dos blogs adquirirem a obra física. Seria uma honra enorme para mim estar perto desse público bacana. Principalmente porque minha história começou na Bienal, lá em 2011, quando lancei "Pré-Mortais".

 TERIA ALGUMA MENSAGEM A NOS PASSAR ENQUANTO PUBLICO-LEITOR?

Sim, sempre. E é bem simples: Leiam não importa quantos livros. Não importa se a obra tem 60 ou 600 páginas. Leia. E não ridicularize um amigo que não lê. Ele apenas não encontrou o estilo dele de leitura. Pois lê exige uma postura ativa, que, por exemplo, ver TV não exige. E principalmente, sempre incentive outros a lerem.

Uau, pessoal! Acho, ou melhor, tenho certeza de que não poderia ter retornado com uma escolha tão perfeita come essa! Amei conhecer um pouco mais do escritor e de sua história de vida! E pude confirmar: como os livros podem mudar tão perfeitamente a vida dos indivíduos! Vi isso na minha história, mas hoje, mais uma vez, assumi isso para minha vida, assim como Anderson Assis na dele!



E aí, me contem: o que acharam do bate-papo com o escritor? Eu vou torcer para que ele esteja na Bienal!
Querem adquirir o livro "Danilo e o Evento de Anime" ?
Vou deixar link logo aqui embaixo! 
E os convido a conhecer não só as minhas redes sociais, mas também as de Anderson Assis!

Beijos literários!!!!


11 comentários

  1. Acho que não seria vergonhoso afirmar que até o momento não cheguei a ler nenhum livro cultura japonesa. Apesar de ter acompanhado vários elogios. Fiquei encantado em conhecer esse autor que tem trabalhado e se aprofundado em conhecimentos nessa área. Pelo que pude perceber ele é bem ativo e provavelmente Ainda tem muito a conquistar.

    ResponderExcluir
  2. Nossa! Que legal Ana! Gostei do bate papo. Já li alguns Haikais e gostei bastante, acredito que iria gostar do livro de poesias dele.Quanto a cultura japonesa não li nenhum ainda, mas pretendo ler em breve. Bjusss.

    ResponderExcluir
  3. Gostei de conhecer mais sobre o escritor, uma pessoa bem simpática e que fez um livro fantástico que recomendo para todos!!! Adoraria poder ler suas futuras obras.

    ResponderExcluir
  4. Que legal sua entrevista. Não conhecia o livro e autor. Eu sou super fã de anime, já participei de diversos eventos, tenho algumas coleções de Mangá. Amei conhecer esse autor.

    ResponderExcluir
  5. Olá, Ana.

    Adorei o bate-papo com o autor.
    Achei bem curioso ele não apenas ter como foco animes, mas também fazer eventos do tipo.
    Fico feliz que escrever seus livros seja uma abertura para fugir dos problemas e das turbulências da vida pessoal, é daí que surgem as melhores histórias!

    www.pactoliterario.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá ana!
    Tudo bem?

    Que legal essa entevista!!!
    Amo muito seu trabalho e te admiro muitooooo! Parabéns e sucesso

    ResponderExcluir
  7. Eu amo animes, CDZ é sem dúvida um marco na minha infância/adolescência e existe grande diferença entre o anime e os mangás, o que quase obrigou a leitura do mangá, o que me fez passar a amar o estilo. Muito legal o bate papo, achei super válidos os concelhos e despertou aquela curiosidade sobre a obra.

    Abraços :)

    ResponderExcluir
  8. Confesso que eu já estava com saudades desses bate-papos deliciosos com os autores, Ana! Gostei muito de conhecer melhor o autor e todas essas curiosidades que você deixou aqui sobre ele e o trabalho dele. Admiro muito animes e eventos do tipo. Tenho muito interesse e curiosidade sobre o assunto. Muito bom esse bate-papo!Meus parabéns! Excelente.

    ResponderExcluir
  9. Tenho muita curiosidade de ler esse livro. Parece bem divertido e mexe com nostalgia. Que pessoa que cresceu nos anos 90 ou 2000 que nunca teve uma fase otaku?

    Adorei a entrevista, principalmente da parte que ele diz que escreveu sobre esse mundo porque estava em depressão e precisava escrever sobre algo que dominava e gostava. Acho que essa é uma descoberta que eu fiz também no meu blog. A gente não precisa reinventar a roda, âs vezes podemos produzir coisas com base em assuntos que a gente já tem afinidade e gosta e a vida também pode ter prazer.

    Adoro quando você traz entrevistas! Beijos


    🌗 Relatos de um Garoto de Outro Planeta

    ResponderExcluir
  10. Oi Ana!

    Que bate-papo legal! Adorei saber mais sobre o Anderson!
    Li o livro "Danilo e o evento de anime" também e fui cativada por Danilo e seus amigos.

    Beijos,
    Amanda Rocha

    ResponderExcluir
  11. Muito legal a entrevista, é sempre bom conhecer um pouco mais do autor de um livro que nos cativou!
    Confesso que não conhecia, mas me interessei pelo livro dele, principalmente por causa da parte do Evento de Anime, sempre fui uma fã confessa de jogos, desenhos , filmes e séries e adoro ir a esses eventos hahaha

    Bisou , Bisou Isa! ❤

    ResponderExcluir