21/2019: NOVEMBER 9

"Suas lágrimas em minha alma, elas têm vidas paralelas. Corra, doa, queime. Repita. Suas lágrimas em minha alma, elas têm vidas paralelas. _ Benton James Kessler"
Olá, bookworms! Como estão?
Bom, eu estou maravilhosamente bem! Feliz, aliás!
Todos sabem que participo com carinho de um grupo de leitura coletiva, que aliás vez ou outra menciono e que até mesmo já fiz uma bela postagem por aqui. E é sobre mais uma dessas minhas aventuras literárias que venho conversar com vocês por meio de resenha.

Como é que uma simples data no calendário marcaria de forma tão profunda e de maneiras diversas a vida das pessoas?

É sobre isso que vamos interagir na postagem de hoje, graças à leitura que realizamos no mês de março: Novembro, 9


Título Original: Novembro, 9

Autora: Colleen Hoover

Ano: 2016

Páginas: 352

Editora: Galera Record

Sinopse:

Fallon conhece Ben, um aspirante a escritor, bem no dia da sua mudança de Los Angeles para Nova York. A química instantânea entre os dois faz com que passem o dia inteiro juntos – a vida atribulada de Fallon se torna uma grande inspiração para o romance que Ben pretende escrever. A mudança de Fallon é inevitável, mas eles prometem se encontrar todo ano, sempre no mesmo dia. Até que Fallon começa a suspeitar que o conto de fadas do qual faz parte pode ser uma fabricação de Ben em nome do enredo perfeito. Será que o relacionamento de Ben com Fallon, e o livro que nasce dele, pode ser considerado uma história de amor mesmo se terminar em corações partidos?




Fallon é uma jovem de 18 anos, filha de um ator famoso. Mora em Los Angeles e vive um embate emocional com seu pai. Diferentemente, tem uma admiração imensa por sua mãe.

Fallon adquiriu comportamentos um tanto compulsivos (arrisco-me a dizer) após ter sobrevivido a um trágico incêndio na casa de seu pai. De lá para cá, tem atitudes como por exemplo lavar fixamente as mãos ao usar o banheiro e gostar de tocar as cicatrizes que ficaram pelo seu corpo. É como se tentasse ler cada uma, ou desvendá-las. 
"Estou sempre passando distraidamente os dedos por meu braço ou pelo pescoço, lendo o braile da minha pele, até me dar conta do que estou fazendo e parar".
Antes do ocorrido, sua carreira de atriz estava em ascensão. Seu pai sempre a direcionou. Quando foi vitimada pelo fogo, precisou ser substituída na série que participava. Entrou então em uma espécie de reclusão e, dois anos depois, decidiu tentar trilhar seu caminho em Nova Iorque, na Broadway, bem diferente do que ele planejava para ela.

Fallon, que já não mais atuava, trabalhava em estúdios, com gravações de audiobooks, o que seu pai repudiava. Com esse trabalho, era como se estivesse sempre por ali, fazendo o que gosta, mas ocultando a sua aparência, valendo-se do que, para ela, ainda restava-se intacta: a sua voz. Ir para Nova Iorque lhe seria um recomeço.


Nos entreveiros com seu pai num restaurante no dia em que completavam-se dois anos do acidente, ela conheceu, da forma mais inusitada possível, um jovem chamado Benton James Kessler _o Ben _, que a olhou como ela não mais sentia ou imaginava ser olhada por alguém.

Ben e Fallon tinham a mesma idade. Ele era um aspirante a escritor, que arriscava-se a escrever de tudo, mas o que gostava mesmo era de ficção e poesias. Citava muito Dylan Thomas, poeta, autor de vários livros, a quem sua mãe estudou e tinha profunda admiração.

Encantado, o rapaz se mostra curioso por desvendar aquela jovem, o que o atrai. 

A história do rápido encontro de Fallon e Ben é tão leve, tão bonita e, ao mesmo tempo, tão intensa, que podemos nos pegar sorrindo em meio às palavras que Colleen Hoover usou para criar essa fantástica narrativa de amor.

Em capítulos alternados, o leitor consegue ler o decorrer da trama conforme as visões de ambos protagonistas.

Como ela iria para Nova York, naquele dia tentaram conhecer-se ao máximo, já que a conexão dos dois fora imediata. Assim, combinaram de ver-se por 5 anos, apenas uma vez ao ano, na mesma data: aquela em que se conheceram _9 de Novembro. Nesse combinado, não valia trocas de endereços, redes sociais ou telefonemas, simplesmente o puro prazer e a sorte, ou quem sabe sintonia, por encontrarem-se sempre naquele dia, fazer dele bonito, marcante, e tentarem aproveitar ao máximo, o que nem sempre acontecia de forma mágica. Fallon o propôs inclusive um desafio: escrever um livro sobre eles, e Ben concordou. 

"Ainda não terminei de me apaixonar por você. Mas se não quer terminar de se apaixonar por mim, então precisa me dizer agora. Você quer que eu faça parte da sua vida mais do que só no dia 9 de novembro?"
A ligação, o estreitamento que foi gradativamente se firmando entre os dois nos permite verificar, em princípio, um lindo conto de fadas, até que descobertas vão sendo feitas...

Além do mix de surpresas no romance, muitas reviravoltas sobre o love affair entre Fallon e Ben me chamaram atenção. Algo que achei muito bacana ali retratado foi como ele a ajudou no que diz respeito à autoaceitação sobre sua aparência, a recuperação da confiança e a autoestima. Ou seja: ele fazia muito bem para ela!
"Passaria os braços em volta dele e ficaria na ponta dos pés para sussurrar em seu ouvido: 'Por que você não me contou que a base na qual me ensinou a ficar de pé é de areia movediça?'"

Preciso dizer aqui da minha experiência com a escrita da autora, visto que, embora eu tenha na estante mais dois livros dela, esse tenha sido o primeiro de CoHo na minha vida de leitora e de blogueira literária. Por mais incrível que possa parecer! 
Afirmo com precisão que superou em alto estilo as minhas expectativas. Super recomendo! Digo também que agora consigo entender perfeitamente o porquê de tantas opiniões tão diferentes sobre a escrita dela!

Vi em sua obra Novembro, 9 uma escrita bem estruturada, alinhada com cada fase da narrativa,  personagens fortes e só posso dizer que penso em devorar cada obra que Colleen Hoover pretender lançar!

Sobre a autora


Colleen Hoover nasceu 11 de dezembro de 1979, em Sulphur Springs, Texas. Ela cresceu em Saltillo, Texas, e formou-se a partir de Saltillo High School, em 1998. Em 2000, ela se casou com Heath Hoover, com quem ela já tem três filhos e um porco chamado Sailor. Colleen se formou na Texas A&M University-Commerce com uma licenciatura em Serviço Social. Ela trabalhou com vários projetos de ação social e de ensino, até começar sua carreira como escritora.





Bom, pessoal, é essa maravilha que tenho para hoje e que espero que tenham gostado tanto quanto eu.

Me contem aqui: Já leram alguma obra da autora? Mais de uma? Qual (ou quais)? Qual foi a primeira que leram? E o que acharam? E qual a próxima leitura de Colleen Hoover pretendem realizar? Por quê? 
Estou curiosíssima para saber!

Até a próxima!
Beijos literários!

10 comentários

  1. Já li e amei! Impressionante como algumas datas nos marcam e ansiamos por elas...Acho que esse foi o único livro que li da autora.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato é uma super narrativa! Eu amei essa minha primeira experiência com a autora! Já quero mais!!!
      Bjs

      Excluir
  2. Oi, amiga!

    Que resenha linda!
    Comecei a ler a CoHo tem pouco tempo e por enquanto estou amando, só o Tarde Demais que não não curti.
    Esse ainda não li e gostei de saber um pouquinho mais, é diferente do último que li dela, deu a impressão de focar bem no romance.
    Vou ler e depois te falo.

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, amiga! Eu tenho "O Lado Feio do amor" na estante e "Assim que Acaba", mas ainda não li. Esse achei incrível! Bjs

      Excluir
  3. Ainda não li nada da escritora, mas espero fazer em breve, pois já tenho vários livros dela na minha lista e queria ler pelo menos uns dois esse ano. E o entusiasmo que colocou nessa resenha não tem como não desejar ler essa obra também que já está anotada na minha lista. Tem feito um lindo trabalho por aqui, parabéns!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gustavo! O entusiasmo vem da forma como ela escreve! maravilhosamente bem!
      Obrigada! Abraços!!!!

      Excluir
  4. Eu estou sempre esbarrando com resenhas dos livros da Colleen Hoover por aí, mas nunca li nada dela. Ainda não encontrei uma história que despertasse meu interesse. Aliás, até tenho um único livro dela na minha lista de leituras, mas agora não me lembro qual. Gostei da premissa desse livro, de como um único dia pode mudar o rumo da nossa vida e gostei dessa história se encontrarem apenas uma vez por ano, sem maiores laços, parece interessante. Ainda assim, não é dessa vez que lerei algo da Coleen.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também ainda não tinha lido, mesmo tendo três livros dela na estante! Amei esse e quero logo ler os outros e ainda mais! A escrita dela é muito gostosa! Prende a gente!
      No momento certo, leia e depois me diga o que achou! Beijos!

      Excluir
  5. Eu esbarrei nesse livro na livraria. Olhei a capa, folheei e li as primeiras linhas... respirei fundo. Dei uma volta... pesquisei na internet. Encontrei a resenha da Renata Borges... adorei as fotos que ela fez. Li mais algumas linhas e percebi que não era para mim. Alguns livros não nos servem e eu confesso que passei da fase de insistir. rs

    O bom das resenhas é que quando a gente fica em dúvida, a gente recorre a vocês e seus olhares. rs

    bacio

    ResponderExcluir
  6. Sim, é verdade! Mas fases vão e voltam! As preferências, creio eu, também, embora um tanto mais complicado. Os olhares sim!
    Bjs

    ResponderExcluir