11/2019: O JARDIM DAS BORBOLETAS

"_ Por que você nos marca? _ Porque um jardim precisa de borboletas."
Olá, bookworms! Como estão? Bom, eu estou fascinada com esta  que foi umas minhas primeiras leituras de 2019 junto do grupo de leitura do querido parceiro Allex Nascimentto. Uma leitura forte, mas que me levou a reflexões diversas.
Vamos conhecer a resenha do livro de hoje? ;)


Título Original: O Jardim das Borboletas - Nem Toda Beleza Será Capturada

Autora: Dot Hutchson

Ano: 2017

Páginas: 304

Editora: Planeta

Sinopse:

Quando a beleza das borboletas encontra os horrores de uma mente doentia. Um thriller arrebatador, fenômeno no mundo inteiro. Perto de uma mansão isolada, existia um maravilhoso jardim. Nele, cresciam flores exuberantes, árvores frondosas... e uma coleção de preciosas “borboletas”: jovens mulheres, sequestradas e mantidas em cativeiro por um homem brutal e obsessivo, conhecido apenas como Jardineiro. Cada uma delas passa a ser identificada pelo nome de uma espécie de borboleta, tendo, então, a pele marcada com um complexo desenho correspondente. Quando o jardim é finalmente descoberto, uma das sobreviventes é levada às autoridades, a fim de prestar seu depoimento. A tarefa de juntar as peças desse complexo quebra-cabeça cabe aos agentes do FBI Victor Hanoverian e Brandon Eddinson, nesse que se tornará o mais chocante e perturbador caso de suas vidas. Mas Maya, a enigmática garota responsável por contar essa história, não parece disposta a esclarecer todos os sórdidos detalhes de sua experiência. Em meio a velhos ressentimentos, novos traumas e o terrível relato sobre um homem obcecado pela beleza, os agentes ficam com a sensação de que ela esconde algum grande segredo.


Victor Hanorrian  e Brandon Eddison  são os agentes do FBI responsáveis por investigar um caso que chocara a polícia.
O resgate de algumas moças entre 16 e 22 anos levam o agente sênior do FBI Victor Hanorrian e seu parceiro, o agente especial Brandon Eddison, a buscarem desvendar um caso importantíssimo: o enclausuramento de moças sequestradas por um homem aterrorizante, um serial killer que as mantinha em cativeiro como se escondido em meio à sua mansão, acima de quaisquer suspeitas, pudesse cometer verdadeiras atrocidades na expectativa, ou na certeza, de que jamais seria descoberto. Esse homem era por elas chamado de "O Jardineiro".
Em meio às vítimas, uma das moças parecia diferente das demais, a ponto de  ser respeitada e até mesmo gerar dúvidas sobre realmente ser ou não uma delas. As demais a chamam de Maya, que inicia seus relatos aos agentes repleta de incógnitas e possíveis episódios  surpreendentes ocorridos na casa.
"_ Você parece sempre imaginar que fui uma criança  perdida, como se tivessem me largado na rua como lixo. Mas as crianças como eu nunca estão perdidas. Talvez sejamos as únicas que se perdem. Sempre sabemos exatamente quem somos e aonde podemos ir. E aonde não podemos ir, é claro."
  • Estaria essa jovem contando fatos que realmente teriam acontecido?

  • Qual seria o seu nome verdadeiro?

  • O que estaria escondido por trás de seu olhar?

A narrativa se dá com ênfase na história de vida de Maya, desde sua infância, perpassando pelos relacionamentos de seus pais, até sua fase atual na trama.

O chocante era observar a relação da jovem com o sexo, já que por diversas vezes relata aos policiais ter sido molestada, visto que conviveu ao longo de sua vida com pedófilos.

A sua relação, ou carência de um bom relacionamento com seus pais, provocava-lhe sentimentos de rancor e revolta. Nesses momentos, talvez também como uma maneira de fuga da realidade a fim de suportar, Maya recitava "Poe".
"_ E imagino que Poe fosse seu favorito... _ Ah, não, Poe tinha um propósito: distrair. Eu gostava dos contos de fadas. Não aquela merda romantizada da Disney nem as versões adaptadas de Perrault. Eu gostava dos verdadeiros, nos quais coisas horríveis aconteciam com todo mundo e a gente entendia claramente que aquilo não era coisa para criança".
Maya tinha um gosto apurado para leituras, caracterizadas, de certa forma, por sombrias. Algo que talvez pudesse qualificar-se por seu histórico de vida.


A análise da autora sobre cada ação dos personagens, da fala, a cada ato por ela brilhantemente narrados, condizem de maneira perfeita com cada perfil na história traçados, seja através da linguagem oral e/ou corporal, permitindo ao leitor uma bela conexão com o drama.
Uma  ficção de arrepiar, com detalhes absolutamente bem escritos, repleta de suspense, assassinatos e mistérios ao qual eu super recomendo!

Sobre a autora:



Dot Hutchison é escritora, dedicada especialmente ao público jovem-adulto. Possui interesses bem diversificados, indo de teatro, queda-livre e "xadrez humano" em feiras renascentistas a navegar horas e horas pelas páginas da Wikipedia (às vezes, as pesquisas não têm muito a ver com as histórias que ela escreve, como naquela vez em que Dot leu sobre São Jorge ter passado o resto de seus dias arrependido por ter matado o dragão).




Uma super leitura, não acham? Bora interagir!
Me digam aqui: vocês conhecem a história? O que acharam? 
Eu estou louca pela continuidade! Se já conhecem, contem aqui as impressões de vocês! Estou ansiosa por ler! Mas nada de spoilers, ok? ;)

Ah, como disse lá no comecinho, essa foi uma das leituras que realizei no grupo de leituras do querido Allex Nascimentto no início deste ano. E aí, o que acham de juntar-se a nós nesse universo literário maravilhoso? Para tal, basta procurarem pelo grupo Leitura Coletivalá no Instagram.
Vocês também podem acompanhar a  #lendocomallexnascimentto
Será um prazer receber vocês!

Beijos literários!

12 comentários

  1. Amei a resenha! O livro parece ser bem interessante. Me lembrou muito um caso antigo de um serial killer que escondia garotas em seu porão e as torturava (ele ainda está vivo, e preso). Espero que seja uma leitura bem agradável ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Sim, uma história bem forte! Mas super recomendo!
      Abraços!!!

      Excluir
  2. Eu tenho visto falar muito desse livro e parece ser uma leitura forte, do jeito que eu gosto.
    Sempre gosto de saber suas impressões. Tem continuidade? Agora fiquei mais curiosa ainda.

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, amiga! Você é um amor só com meu trabalho! Muito obrigada!Leia que irá gostar!!!
      Beijinhos!

      Excluir
  3. Eu terminei ontem minha mais recente leitura e hoje estava em busca da próxima. Selecionei 5 opções e O Jardim das Borboletas está entre elas. Sua resenha me deixou curiosíssima para conhecer e entender melhor Maya e sua história! Como assim existe a possibilidade de ela não ser uma vítima? É raro eu ler uma resenha e ter o livro prontamente disponível para leitura, então acho que vou começar essa leitura hoje mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bacana, querida! Espero que leia e me conte suas impressões! Eu gostei muito, mas me fez ficar um tanto parada, pensativa...
      Porém, em conclusão, adorei!
      Beijos!

      Excluir
  4. Amei a resenha, mas, ai esta um livro que não tenho coragem de ler!!!
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério!? Eu, em princípio, também achei que não conseguiria, confesso! No começo, tive dificuldade em compreender o enredo, mas quando engatei, nossa! ão quis parar!

      Excluir
  5. Essa, sem dúvida, deve ser uma leitura muito intensa e até chocante. Me interessei muito pelo livro, gosto de histórias de suspense e mistérios. E a história da Maya me parece ser totalmente instigante, fiquei curiosa em saber como seria sua verdadeira relação com o sequestrador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiii! Sim ,uma leitura chocante! Digna de uma bela produção hollywoodiana!
      Não hesite! Leia! Parece que há continuidade! Não vejo a hora de ter a oportunidade de ler!
      Beijinhos!

      Excluir
  6. Oi Ana Cláudia!
    Eu terminei de ler o post e tô assim, espera, cadê, quero mais! ahahah Gente, eu já tinha visto esse livro por aí e gostei muito do título, mas não imaginava que seria um triller! Jamais!
    Adorei imaginar como tudo se desenrola e especialmente a relação com a personagem Maya, que parece enigmática!
    Fiquei só com uma dúvida, o livro em si tem um final ou é aberto, deixando espaço pra resolver tudo na continuação?
    xoxo

    ResponderExcluir
  7. Oii! Que bom que te deixei reflexiva! Hahaha! Esse livro me deixou meio zonza no final, te juro! Mas amei, de verdade! Parece que há uma continuidade, e eu não vejo a hora de ler!
    Beijos!

    ResponderExcluir