08/2019: TERAPIA DE UM SEQUESTRO

"Desde o momento em que fui surpreendido pelos bandidos, me senti bastante aturdido. A minha impressão era a de já ter passado uma eternidade, quando, na verdade, só estava começando a odisseia que se eternizaria por toda a minha vida".
Olá, pessoal! Como vocês estão?
Hoje eu venho lhes convidar a conhecerem e a refletirem  acerca da história envolta em uma obra que lhes apresentei por meio dos stories no instagram do Café com Leitura Blog em janeiro desse ano, quando fui presenteada pela editora parceira daqui de Nova Friburgo, a InMediaRes
Curiosos? Me acompanhem!


Título Original: Terapia de um Sequestro

Autor: Manoel Carlos

Ano: 2018

Páginas: 132

Editora: InMediaRes

Sinopse:

A violência corrói o tecido social e deixa marcas para além do que os olhos conseguem captar. Terapia de um sequestro traz um relato dramático sobre o impacto de um crime brutal ao longo de toda a vida de uma vítima. O livro chama a atenção para a urgente necessidade de se colocar a redução da violência e a atenção às vítimas no centro da agenda de políticas de nosso país. Hoje, temos conhecimento acumulado sobre o que funciona e o que não funciona para melhorar a segurança. Cabe a cada um de nós buscar informação e cobrar de nossos governantes que cumpram sua missão de proteger os cidadãos.



Um carro do momento, ego elevado...

... Fevereiro de 1974.

A rotina diária de buscar sua noiva, uma vaga inesperada...

... sorte?

Ou seria falta dela?

Fato é que nesse romance, publicado pela editora InMediaRes o escritor Manoel Carlos narra toda sua angústia quando, num certo dia, em pleno verão do Rio de Janeiro, ao encontrar a "vaga certa" para estacionar seu carro, acaba sendo sequestrado bem em frente ao portão do prédio em que esperaria sua futura esposa sair do trabalho.

A partir dali, momentos de muita angústia, terror psicológico e as mais adversas emoções provavelmente invadiram sua mente.
"Fosse a razão que fosse, a esta altura eu já temia pelo pior. Tinha já consciência do perigo em que me via e estava só, a mercê da minha (falta de) sorte ou do que o destino reservava para mim. A partir daquele instante eu soube que só poderia contar comigo".

Durante a narrativa, percebe-se que o escritor descreve sensações adversas vivenciadas tanto por ele quanto pelos três assaltantes que ali estavam.

Apontamentos e desapontamentos, ansiedade, tensão...
...Aceitação, revolta...

...Cautela, expectativa, medo, angústia. 

Todos esses sentimentos envolvem  a sua trajetória pela cidade maravilhosa, em seu carro do ano junto dos três bandidos , desde quando o ato ocorreu até a conclusão.
Em meio ao terror constante vivenciado, memórias de um passado repleto de aventuras e alegrias enchiam-lhe de esperança.


Por vezes o leitor consegue perceber que a vontade de Manoel Carlos de ser um herói das telas de cinema era imensa! Em outras, por incrível que possa parecer, a narrativa apresenta certo humor, o que nos oferece uma pitada especial durante os fatos descritos.

"Nesses momentos em que mergulhava nos refúgios das minhas memórias, afastava-se da crueldade que me envolvia e me permitia tomar um pouco de fôlego, para receber uma energia extra que me ajudasse a segurar a ansiedade, até a parada no próximo sinal de trânsito. Ou em qualquer lugar que pudesse me dar novas esperanças de sair vivo.

Texto narrado em primeira pessoa, o livro Terapia de um Sequestro é de uma leitura rápida, fluida, com uma descrição bem delineada do acontecido, prendendo o leitor à expectativa de cada evento, de cada ação.

Com uma boa diagramação, a disposição dos episódios nos é apresentada de forma enumerada cronologicamente, facilitando o entendimento daquele que lê.

Ao final, com alguns desabafos, o autor nos convida a diversas reflexões sobre a atual situação do país no que refere-se a estatísticas de violência.

Mesmo  cerca de quarenta anos depois do ocorrido, infelizmente constata-se que a situação só tem piorado.

Ainda assim, Manoel Carlos soube, como diz o ditado popular, "fazer do limão uma limonada", já que foi com base em suas experiências durante e após o sequestro que ele passou a valorizar as coisas boas da vida com mais ênfase, nos passando dessa forma uma bela mensagem, visto que foi daí também que passou a escrever como forma de uma terapia.

Sobre o autor:


Manoel Carlos nasceu em Nova Friburgo, morou na Austrália entre 1968 e 1970. Formou-se na Escola Técnica Nacional, hoje Cefet/RJ. Estudou nos EUA. Foi empresário do setor naval, trabalhando na parte de reparos, e depois empresário do ramo hoteleiro (Hotel Olifas, Nova Friburgo). No exercício de suas funções, conheceu com profundidade os estados do norte e nordeste do Brasil, assim como sua gente, seus costumes, sua cultura.



E aí, o que acharam dessa proposta literária?

Querem adquirir o livro? Basta conhecerem o site da editora InMediaRes ou darem uma passadinha na Amazon, ok?

Espero que tenham gostado da nossa conversa por hoje, pessoal!

Beijos literários!





20 comentários

  1. Sempre trazendo autores novos ( pelo menos para mim)... Dica anotada... Parabéns pelo post.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii! Essa é uma das metas do "Café"! Obrigada! Volte sempre!

      Excluir
  2. Adorei o post! Ainda não conhecia o autor e nem a obra. Pareceu ser bem interessante. Gostei muito da dica. Anotada. Parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou! Tem vídeo sobre a obra no IGTV! Passa lá! ;)
      Beijos!

      Excluir
  3. Hey Ana! Tudo bem?
    É mesmo triste quando um relato de livros de tantos anos atrás ainda se repetem com muita vivacidade hoje em dia. Não conhecia essa leitura, e adorei a sua resenha.
    Um grande abraço!

    | Blog Misto Quente | Siga no Instagram | Curta no Facebook |

    ResponderExcluir
  4. Olá Ana, tudo bem? Parabéns pelo post, eu nao conhecia a obra e e o muito bom ler seu post e me informar sobre o assunto que o livro aborda. Abraço!

    ResponderExcluir
  5. As vezes coisas terríveis acontecem em nossa vida sem um motivo aparente, mas o mais importante é dar a volta por cima! Imagino que seja um livro intenso e cheio de superação. Pretendo lê-lo no futuro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A história é bem gostosa, e rápida de ler! Arrisque-se! Beijos!

      Excluir
  6. Não conhecia a obra e me parece interessante, mas não sei se leria.
    Passei por um assalto e tenho um certo trauma até hoje, talvez esse livro me cause certa ansiedade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, imagino a gravidade de uma situação dessas. Muito séria mesmo. Foi daí que o autor usou a escrita, como forma de terapia após o sequestro. Gostei bastante!
      Grata por estar sempre aqui me dando essa força, viu?! Volte sempre!
      Beijos!

      Excluir
  7. Oi!
    Adoro essa vibe que muitos autores nacionais seguem de usar a literatura como crítica social. Vivemos em um país com ainda muitas questões a melhorar, e usar da cultura para abordar tais pontos nunca é demais.
    Abraços,
    Literalize-se

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, refleti bastante sobre certos pontos que ele aborda no livro, fazendo um paralelo do ontem e do dia com relação à segurança social.
      Abraços!

      Excluir
  8. Que interessante! Como boa fã que sou de romances policiais em geral, já li alguns livros sobre seqüestro. Mas todos eram focados na investigação, nunca lo nada contado pela perspectiva da vítima. E é ainda mais interessante não ser ficção. Nem imagino como deve ficar a cabeça de um pessoa que passa por essa situação. Fiquei bem curiosa com esse livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ju! Como vai? Eu também me surpreendi com a leitura justamente pelos pontos que muito bem colocou aqui! Super vale a pena, viu? Beijos!

      Excluir
  9. Infelizmente violência é algo atemporal. Atualmente vivemos um momento bem tenso sobre o assunto e tomara que algumas dessas "limonadas" ajudem a entender de perto a complexidade de tal violência e que alguns livros ajudem a minar esse mal crescente, expondo visões mais detalhadas antes ignoradas.

    Abraço :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem verdade, Daniel! Alguns pontos colocados pelo autor me deixaram bem reflexiva acerca da situação que ele viveu já naquela época.
      Bom te ver por aqui!
      Te espero mais vezes!
      Abraços!

      Excluir
  10. Essa obra deve trazer uma narrativa bem aflita por parte do escritor e a premissa que ele apresenta, infelizmente está cada vez mais forte em nossa realidade. Confesso que fiquei muito, mas muito interessado mesmo em ler esse livro. Anotei a dica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gustavo! Sim, eu também fiquei intrigada com a proposta que o autor e a editora InMediaRes me trouxeram. Valeu a pena, como sempre!
      Abraços!

      Excluir