Menu

sábado, 12 de janeiro de 2019

BATE-PAPO COM O AUTOR RAPHAEL FRAEMAM


Olá, leitores, como vão? 
Eu estou super bem! Principalmente por retornar com os bate-papos com os autores, que é algo que amo apresentar para vocês.
Bom, hoje eu trago para vocês algumas curiosidades nos trazida pelo autor Raphael Fraemam do livro "Krystallo - Jornadas Para Além das Fronteiras"

Só para lembrar, a resenha caprichada desse livro eu trouxe aqui!

E agora, que tal termos acesso a curiosidades sobre o autor e o processo de criação da obra?! Tenho certeza que irão adorar!









Como você descreveria para o público leitor o escritor Raphael Fraemam?


Raphael é um nerd, apaixonado por livros, cinema e séries. Fã de carteirinha de Star Wars e alguém que sempre acreditou que uma boa história é não apenas uma das melhores formas de entretenimento, mas também o melhor jeito de aprender grandes lições para a vida. Uma história bem contada não só é um meio de sairmos da nossa realidade para um mundo completamente novo, mas também a ponte na qual trazemos ensinamentos desse mundo novo para a nossa realidade.


Quando e como foi a sua descoberta no mundo literário? Como leitor e como escritor! ;)


Desde pequeno. Meus pais sempre estimularam a leitura em casa e minha mãe lia comigo quando eu era criança. A vontade para entrar no mundo literário vem desde pequeno também. Quando eu tinha 8 anos, escrevi meu primeiro livro: “Os Guerreiros da Floresta e a Caverna da Liberdade”. Era um livrinho infanto-juvenil. Desde então, enquanto criança, existiram outras tentativas de escrever novos livros, mas eu era muito pequeno e não sabia também da necessidade do estudo e do desenvolvimento necessário para melhorar a técnica de escrita. Só depois que me formei na faculdade, seguindo esse antigo desejo que sempre esteve presente dentro de mim, procurei estudar e me preparar para voltar a escrever. Por isso que escrevi Krystallo.


Há alguém em especial que você seja grato por estar tão envolvido no universo? Poderia nos revelar quem é?


Sim. Em primeiro lugar, os meus pais, especialmente a minha mãe, por terem me dado as bases necessárias para gostar tanto desse mundo de histórias presente não só nos livros, mas também no cinema e em séries. E também a minha namorada, Valquíria, que é tão cinéfila quanto eu e é a minha leitora ideal. Sabe, no livro “Sobre a Escrita”, Stephen King diz que acha que “todo romancista tem um leitor ideal e que, em vários pontos da composição da história, o escritor está pensando: ‘O que será que ele vai pensar quando ler esta parte’”. Eu acredito nisso, pelo menos essa máxima de King se aplica a mim. Eu escrevo e me pego imaginando qual será a reação que Valquíria vai ter ao ler cada parte da história. Ela é a minha inspiração para que a história se desenvolva até porque, antes de qualquer coisa, é para ela que escrevo.


E de onde veio a inspiração para narrar uma distopia tão intensa como “Krystallo – Jornadas Além das Fronteiras”?


Quando comecei a escrever Krystallo foi mais um desabafo. A imersão em tantas histórias interessantes que trazem tantos ensinamentos fez com que crescesse, cada vez mais, a vontade de também contribuir nesse mundo da literatura. Essa vontade foi crescendo dentro de mim até o ponto em que não dava mais para esperar: eu precisava escrever alguma coisa. Só que não poderia ser qualquer coisa, eu tinha que tentar entregar a melhor história possível, dentro da minha capacidade. Para mim, a melhor história do cinema é a da saga Star Wars e, na literatura, os meus livros favoritos são os de Harry Potter. Além desses, sempre gostei muito das séries de Percy Jackson e Jogos Vorazes, então eu queria entregar uma história para o mesmo público, porque é o público que eu conheço e faço parte. Isso tudo, somado ao fato de querer também entregar uma história original e à preocupação de começar um diálogo com o público jovem sobre política e democracia, resultou em Krystallo.


Enquanto leitora, a impressão que tive foi que você parece ter estudado bastante alguns assuntos que foram abordados na história. Isso confere? Pode nos contar um pouquinho sobre como foi esse trabalho?


No colégio, História sempre foi a minha matéria favorita. Eu sempre gostei e ainda gosto de estudar muito essa matéria. No ano passado, terminei de ler uma trilogia muito boa de ficção-histórica chamada “A trilogia do século” de Ken Follet, que retrata com uma profundidade impecável o ambiente durante o período da Primeira Guerra Mundial, Segunda Guerra Mundial e Guerra Fria. Então, não foi difícil usar alguns acontecimentos históricos de inspiração para formar o “background” do universo de Krystallo. Agora, para conseguir escrever alguns trechos do livro, confesso que fiz um estudo analítico e utilizei alguns elementos dos presentes nos discursos que Hitler e Mussolini faziam para a população. 


E quanto aos personagens, como foi a elaboração das características e dos caminhos a serem seguidos pelos protagonistas e alguns outros que foram surgindo e crescendo na trama?


Em relação aos protagonistas, a minha maior preocupação era em retratá-los como pessoas normais. Apesar de Tomé e Gray possuírem traços de personalidade bastante distintos, procurei desenvolver protagonistas que fossem personagens comuns, humanos, com as mesmas angustias, desejos e anseios de qualquer adolescente na idade deles. O mais importante, para mim, era que eles fossem personagens coerentes com a moral que eles acreditam, seguindo o próprio código de conduta, errando e aprendendo com os seus respectivos erros. De certa forma, procurei desenvolver isso também em personagens secundários como Maggi, Ricardo, Marian e Jorge. Cada um com uma maneira de pensar diferente, mas sempre procurando agir com uma conduta coerente com suas personalidades. Agora existem outros personagens mais estereotipados e que você pode encontrar com mais facilidade em outras histórias de fantasia. Por exemplo, existe um personagem que vai funcionar como mentor/sábio. Há personagens também inspirados em figuras históricas, em pessoas reais e, outros, em histórias de outros universos que admiro tanto. Procurei misturar isso tudo e relacioná-los com os protagonistas.


Quanto tempo você levou para concluir a obra “Krystallo – Jornadas Além das Fronteiras” e iniciar o trabalho de divulgação aos leitores?


A escrita da primeira versão de Krystallo pode ser dividida em duas etapas. Os primeiros 35% do livro (mais ou menos isso) foi escrito durante alguns meses (uns três ou quatro meses) no ano de 2016. O restante da história foi escrita em um mês (final de janeiro e ao longo do mês de fevereiro do ano de 2018). Depois disso, entre março e setembro, o livro passou por várias revisões e por quatro leitores beta até chegar a sua versão final e ser lançado no dia 09 de outubro de 2018.


Você atribui algumas peculiaridades da sua narrativa a fatos próximos ao cotidiano do leitor? Se sim, quais? E se não, por quê?


Sim. Tentei fazer com que os personagens, principalmente os protagonistas, passassem por problemas que o leitor pudesse identificar como próximos a sua realidade. Além dos sentimentos e dificuldades pelos quais os personagens atravessam ao longo da história, acredito que o escopo político que envolve a obra também é muito importante e pode despertar um maior interesse do público jovem na democracia como um todo.


Poderia nos adiantar se existem novos projetos do escritor Raphael Fraemam vindo por aí, como uma possível continuidade da jornada que temos vivido com “Krystallo”, por exemplo? 


Com certeza. Krystallo é um projeto muito especial que pretendo expandir para, no mínimo, uma trilogia. Tenho muitas outras ideias em mente também, mas o próximo projeto será escrever a continuação das jornadas para além das fronteiras.  Ainda não comecei a escrever porque quero terminar de estudar alguns livros que podem me ajudar a pensar melhor sobre a continuação, mas pretendo começar a trabalhar no novo livro ainda neste ano.


Por enquanto, o leitor interessado em adquirir “Krystallo – Jornadas Além das Fronteiras” o fará em e-book, certo? Há planos para oferecer a obra para o formato físico?


Sim. Por enquanto, a obra só está disponível em e-book lá na Amazon. Mas uma das metas desse ano de 2019 é tentar conseguir alguma editora interessada em publicar a história no formato impresso e com capacidade de distribuição do livro pelas livrarias no país. Com alguma sorte, espero conseguir realizar esse sonho.


Para fechar: Gostaria de nos deixar algum recado? Se sim, fique à vontade!


Apenas queria agradecer a oportunidade de responder a essa entrevista e por ter esse espaço tão legal aqui no site do “Café com Leitura” e nas redes sociais. Queria convidar todos que leram a entrevista a seguirem os perfis do livro nas redes sociais: o instagram é @sagakrystallo e no Facebook é a página Krystallo. E também dizer que estou sempre à disposição para debater sobre o livro e sobre escrita criativa com qualquer interessado. Fiquem à vontade para entrar em contato pelas redes sociais ou pelo e-mail sagakrystallo@gmail.com. Um abraço.






Que bate-papo inteligente! Como há tempos não via por aqui, hein!?
Eu confesso que já estava sentindo falta dessas conversas tão próximas dos autores que trago aqui! 
E vocês, o que acharam?

Querem adquirir o livro? Atentem-se ao link a seguir:



Querem conhecer as redes sociais do autor? Estão aqui também!




Bom, espero que continuem me acompanhando, porque ainda vem muita coisa boa por aí!
O ano só está começando, minha gente! 

E não deixem de acompanhar as redes sociais do Café com Leitura Blog!

Beijos literários!