Menu

sábado, 31 de março de 2018

Resenha 02: Livro Declarações de Paz em Tempos de Guerra



RESENHA:  DECLARAÇÕES DE PAZ EM TEMPOS DE GUERRA - TRAJETÓRIAS E DISCURSOS DE 21 PACIFISTAS LAUREADOS COM O PRÊMIO NOBEL DA PAZ

Título Original:  Declarações de Paz em Tempos de Guerra: Trajetórias e Discursos de 21 Pacifistas Laureados com o Prêmio Nobel da Paz

Autores: Emir Sader e Cláudia Mattos

Ano: 2003


Editora: Bom Texto


Páginas: 250



Quando a humanidade está em guerra, quando o século XX (século este que muitos de vocês que estão lendo a resenha neste momento nasceram) é considerado o século de guerras, tem-se infelizmente a percepção de que parte do que foi vivido e falado está relacionado a um clima bélico, que causou muitos constrangimentos, separações de famílias, lutas raciais e intolerâncias religiosas.

O fato é que o século XX foi o século que trouxe mais mortes por meio de confrontos, sejam esses por posturas (anti)imperialistas, nacionalistas, capitalistas, de caráter territoriais, raciais, enfim, foi um período onde tensões, conflitos militares envolvendo vítimas civis e desequilíbrios por parte de muitos chefes de grandes nações ocasionaram o enfrentamento e, ao mesmo tempo, a insegurança que grandes potências apresentaram ao mundo ao longo dos tempos.

Mas no mesmo momento, em meio a tanta batalha, em meio a tantos conflitos armados e tantas perdas sociais, sempre há de se restar uma esperança àqueles que estão sofrendo no centro da multidão!

Sempre houve a possibilidade, trazida por pessoas que almejavam a paz no pós-guerra. Em princípio, cabendo a membros das Nações Unidas, ou a Fóruns Sociais Mundiais, como o de Porto Alegre, que soluções de paz aos conflitos e contra a guerra imperial norte-americana eram analisadas.

“A GUERRA NÃO FOI IMPEDIDA PELAS PALAVRAS, PELOS GRITOS, PELOS DISCURSOS DE PAZ. [...] NÃO SE GANHA UMA GUERRA APENAS PELAS ARMAS. PORQUE AS PALAVRAS DE PAZ REFLETEM AS VONTADES DE PAZ, E AS PALAVRAS, QUANDO PENETRAM NOS CORAÇÕES E MENTES, TRANSFORMAM-SE EM FORÇA MATERIAL, AQUELA FORÇA QUE MOVE O MUNDO. (EMIR SADER)

Entre tantos atores e ações, surge o Prêmio Nobel da Paz e seus pacifistas laureados, centro dessa obra, em que Emir Sader e Cláudia Mattos nos apresentam não apenas os discursos, mas informações sobre essas pessoas que tanto lutaram por uma causa em comum e tão nobre,  instigando o leitor a conhecer os seus feitos, e os motivos pelos quais esses indivíduos foram agraciados com uma premiação tão importante quanto o Nobel da Paz.

Vale enfatizar que os autores trazem as indicações, informes e notas, bem como principalmente os discursos dos premiados diretamente da Fundação Nobel, instituição privada fundada em 29 de junho de 1900, cuja existência deve-se ao último desejo de Alfred Nobel, inventor da dinamite.

“SOMENTE A PAZ PERMITE O REENCONTRO DOS HOMENS COM ELES MESMOS, COM OS VALORES, OS DISCURSOS E A CULTURA HUMANISTA”. (EMIR SADER)

        Emir Sader discursa ao leitor com uma apresentação em que relata sobre reflexões acerca de guerra e paz, contextualizando-se historicamente fatos que a humanidade presenciou ao longo dos tempos, mas que inegavelmente levou-nos a conhecer cidadãos que fizeram a diferença em prol do (re)encontro com uma paz tão almejada pelos povos.

Ralph Johnson Bunche - Laureado em 1950

A seleção de laureados e suas histórias de vidas foi, com devida autorização da Fundação Nobel, realizada por Cláudia Mattos, que buscou apresentar ao ledor da obra os percursos de alguns dos 21 premiados citados no livro.

Diversos foram os discursos apresentados, alguns com narrativas variadas, contudo, todos chegando ao mesmo rumo: o encontro com a paz.

Iniciando com Ralph Johnson Bunche, perpassando por Albert Schweitzer, Betty Williams, o Fundo das Nações Unidas  para a Infância – UNICEF, Médicos Sem Fronteiras e outros mais, relacionando questões como Estado e indivíduos, direitos humanos e igualitários, bem como a igualdade entre os povos e raças, é interessante  enfatizar que alguns laureados possuíam, mesmo em épocas diferentes, causas em comum, como Albert John Luthuli, laureado em 1960, Desmond Tutu, Nobel da Paz em 1984, e Frederik Willem de Klerk e Nelson Mandela (preso político mais antigo e maior símbolo da resistência negra), agraciados juntos em 1993. Todos esses pacifistas premiados, mesmo em décadas distintas, mantinham a luta contra o Apartheid.

“NA MINHA OPINIÃO, O PRÊMIO NOBEL DA PAZ É UM APELO A TODOS PARA QUE  AJAMOS EM CONFORMIDADE COM AQUILO QUE ELE REPRESENTA, DADA A GRANDE IMPORTÂNCIA QUE TEM EM TODO O MUNDO. ALÉM DE SER UM TESOURO INESTIMÁVEL, É UM INSTRUMENTO COM QUE SE LUTA PELA PAZ, PELA JUSTIÇA, PELOS DIREITOS DAQUELES QUE SOFREM COM AS PROFUNDAS DESIGUALDADES ECONÔMICAS, SOCIAIS, CULTURAIS E POLÍTICAS, TÍPICAS DA ORDEM DO MUNDO EM QUE VIVEMOS, AO PASSO QUE  A SUA TRANSFORMAÇÃO EM UM NOVO MUNDO, BASEADO NOS VALORES DO SER HUMANO, É A EXPECTATIVA DA MAIORIA DOS QUE VIVEM NESTE PLANETA.” ( RIGOBERTA MENCHÚ TUM – LAUREADA EM 1992)

Com uma linguagem clara e coerente, os autores conseguem atingir àquele que identifica-se com a obra por meio de  boa organização, tratando dos assuntos ali mencionados com fácil compreensão do que é ao leitor fornecido como conteúdos. De maneira concisa, Emir Sader e Cláudia Mattos incorrem objetivamente a cada discurso, a cada trajetória, de cada pacifista premiado, de maneira contextualizada e sem emitir opiniões, respeitando com veracidade cada história de vida e as falas de cada um, atendendo assim ao objetivo informado no início da produção, que é o de oferecer àquele que a lê declarações, discursos e trajetórias de 21 pacifistas congratulados com tão respeitado prêmio.

Emir Sader nasceu em São Paulo, em 1943, é formado em Filosofia pela Universidade de São Paulo, é cientista político e professor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP). Além de colunista, é secretário-executivo do Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais (Clacso) e coordenador-geral do Laboratório de Políticas Públicas da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). 

Claudia Mattos  é graduada em psicologia na USP, Trabalhou na área educacional, de início no Ensino Fundamental, e posteriormente como consultora de educação, treinamento e desenvolvimento para empresas. Formou-se em Harvard e fez mestrado no programa Educação: História, Política Sociedade na PUC-SP.